Divulgação de estudo sobre violência da PM é 'injusta', diz Beltrame

Pesquisa elaborada pela Anistia Internacional identifica que a PM do Rio matou, em média, duas pessoas por dia nos últimos dez anos

Danielle Villela, O Estado de S. Paulo

03 Agosto 2015 | 09h43

RIO - O secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame, classificou como temerária e injusta a divulgação nesta segunda-feira, 3, do estudo elaborado pela Anistia Internacional. A pesquisa identifica que a Polícia Militar do Rio matou, em média, duas pessoas por dia nos últimos dez anos, de 2005 a 2014, em registros denominados "autos de resistência".

"Considero temerária e injusta a divulgação desse estudo de casos, num momento em que vemos os níveis de criminalidade caírem no Rio. A capa do estudo já cria um estigma antecipado do policial. Todos sabem que no Rio de Janeiro a diminuição da letalidade violenta é o principal fator para que um policial seja premiado no Sistema Integrado de Metas. E no caso específico do homicídio decorrente de intervenção policial, os resultados saltam aos olhos, principalmente nas áreas onde foram instaladas Unidades de Polícia Pacificadora", disse Beltrame em nota.

Segundo o secretário, houve redução de 85% no número de mortes decorrentes de intervenção policial em áreas de UPP no período de 2008 (136 vítimas) e 2014 (20 vítimas). "Sabemos que no Rio ainda há áreas com guerra, como mostra esse estudo de casos. Mas é inegável a melhora nos índices de criminalidade de 2007 para cá", afirmou Beltrame.

 

Entre os avanços, o secretário citou a redução do uso de fuzis e munição, além da criação do Centro de Formação do Uso Progressivo da Força e da Divisão de Homicídios. "Ou seja, a maioria das recomendações feitas nesse estudo de casos já é adotada em nosso Estado. Infelizmente, todo esse avanço não é reconhecido nesse estudo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.