MARCOS ARCOVERDE/ESTADÃO
MARCOS ARCOVERDE/ESTADÃO

Boatos sobre falta de PMs nas ruas fecham escolas no Rio

Famílias resolveram não mandar seus filhos às escolas no turno da manhã; Coordenadoria Regional de Educação, então, avaliou então ser 'mais prudente' não abrir instituições

Roberta Pennafort, O Estado de S. Paulo

10 Fevereiro 2017 | 18h02

Por conta de boatos sobre a suposta falta de PMs para o patrulhamento do Rio, uma creche, duas escolas e dois Espaços de Desenvolvimento Infantil (pré-escola) ficaram fechadas na zona oeste da capital fluminense na tarde desta sexta-feira, 10. Nenhum incidente que justificasse a medida foi identificado nas proximidades das unidades educacionais.

A Secretaria Municipal de Educação, Esportes e Lazer do município informou que "notícias desencontradas sobre as manifestações de familiares de PMs, entre elas, a de que a polícia não sairia às ruas, provocou um clima tenso desde o início da manhã", conforme relatado pela 7ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE), que abrange 19 bairros, entre eles, Jacarepaguá e Barra da Tijuca.

Em decorrência das notícias falsas, famílias resolveram não mandar seus filhos às escolas no turno da manhã. Com o clima de insegurança, a CRE avaliou então ser "mais prudente" não abrir as escolas no período da tarde. Com isso, 1115 alunos ficaram sem aulas.

A secretaria informou também que uma escola e um Espaço de Desenvolvimento Infantil não funcionaram na região do Complexo do Alemão, na zona norte. O mesmo aconteceu em duas escolas na comunidade do Cesarão, na zona oeste, e em uma da região da Vila da Penha. Nas três situações, no entanto, o problema não foram os boatos, ressalvou a secretaria, e sim tiroteios que não tiveram relação com as manifestações nos batalhões da PM. No total, foram quase 2.500 alunos sem aulas por causa dos confrontos.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.