Dida Sampaio/Estadão e Wilton Júnior/Estadão
Dida Sampaio/Estadão e Wilton Júnior/Estadão

Bolsonaro decide manter silêncio sobre assassinato de Marielle

Pré-candidato à Presidência afirmou que só ele está 'apanhando' por não se manifestar sobre morte da vereadora do PSOL

Daiene Cardoso e Igor Gadelha, O Estado de S.Paulo

20 Março 2018 | 20h01

BRASÍLIA - Pré-candidato à Presidência da República, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSL-RJ) afirmou nesta terça-feira, 20, que vai manter o silêncio sobre a morte da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e do motorista dela, Anderson Pedro Gomes, mortos a tiros na noite da última quarta-feira, 14, na capital fluminense. 

+++ Passados cinco dias da morte de Marielle, Bolsonaros silenciam

"Vou continuar silente", afirmou Bolsonaro em entrevista ao Broadcast Político, serviço de informação em tempo real da Agência Estado, no plenário da Câmara. "No ano passado, teve enterro de uns 20 PMs (policiais militares), nenhum dos presidenciáveis foi e só eu estou apanhando agora por não falar sobre a morte dela."

+++ Ato por Marielle e Anderson reúne milhares no centro do Rio

Reclamação

Nesta terça-feira, deputados federais do PT entraram no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) com reclamação disciplinar contra a desembargadora Marília Castro Neves, do Tribunal de Justiça do Rio, acusando-a de "espalhar" na internet "mentiras" contra Marielle. 

+++ Companheira de Marielle e assessora prestam depoimento no Rio

Na reclamação, argumentaram que "não há como dissociar a conduta" como cidadã da de magistrada. "Há deveres de comportamento mais relacionados ao exercício da jurisdição e outros à própria conduta enquanto cidadã. Um é complemento do outro, e os Códigos de conduta punem ambos."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.