FBX ASSESSORIA
FBX ASSESSORIA

Bruno Krupp grava vídeo para dizer que não fugiu após atropelar e matar adolescente

Influenciador diz que foi chamado de 'assassino' por 'empregados' de hospital, mas centro médico afirma não ter registro de queixa; advogado admite alta velocidade e atribui acidente a falha nos freios de moto

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2022 | 19h16

RIO - O modelo e influenciador Bruno Fernandes Moreira Krupp, de 25 anos, preso na manhã desta quarta-feira, 3, em um hospital no Méier, por atropelar e matar com uma motocicleta um adolescente no fim de semana, afirmou em vídeo que não teve culpa pelo acidente. Ele ainda negou que tivesse tentado fugir da polícia. O advogado do acusado admitiu que Krupp pilotava em alta velocidade, mas declarou que uma "falha no freio" causou o acidente. A vítima, de 16 anos, morreu.

Krupp teve mandado de prisão preventiva expedido nesta quarta-feira pela juíza Maria Izabel Pena Pieranti, do Plantão Judiciário. Atendido no sábado, 30, logo após o acidente no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, zona oeste carioca, o influenciador deixou a unidade na manhã de domingo. Foi preso nesta quarta, 3, em outro hospital, na zona norte da capital fluminense.

Influenciador gravou vídeo para se defender

O influenciador gravou um vídeo se defendendo e acusando funcionários do Lourenço Jorge.

"Gente, pelo amor de Deus, eu sou a última pessoa que queria que isso tivesse acontecido. Pode ter certeza que eu queria que o pior tivesse acontecido comigo. Eu fui levado de ambulância, eu fui transferido de hospital, eu não fugi do hospital, não fugi dos médicos", declarou em vídeo ao qual a TV Globo teve acesso.

Segundo Krupp, houve uma longa espera pelo atendimento no Lourenço Jorge e os funcionários o tratavam de forma ríspida, com insultos.

"Fiquei três horas esperando para ser atendido, e ninguém me atendia. Eu estava morrendo no hospital, os empregados me tratando mal no hospital, batendo com a maca no corredor, me chamando de assassino, como se eu tivesse feito alguma coisa errada. Eu não bebi, eu não usei droga, não fiz nada. Foi um acidente, gente!"

O advogado do influenciador William Pena, considerou o pedido de prisão preventiva exagerado. Admitiu, porém, acreditar que Krupp estava em alta velocidade. Segundo a Polícia, no momento do acidente ele trafegava a 150 km/h. O limite da via é 60 km/h.

Apesar disso, apontou para um defeito nos freios da moto para explicar o acidente.

"A vítima ameaçou atravessar (a faixa) e voltou. O que ele (Bruno) me disse antes de entrar na cirurgia, hoje, foi que a moto deu uma pane no freio e ele perdeu o controle, porque ele se assustou com o rapaz (a vítima) voltando", sustentou o advogado. "A juventude de hoje quer dar uma arrancada, ele vai pagar um preço. Agora, não se pede a prisão preventiva de uma pessoa fundamentando apenas porque viram no Instagram, que o cara é isso, o cara é aquilo."

Secretaria de Saúde diz que Krupp não se queixou de mau atendimento

Em nota, a Secretaria Municipal de Saúde (SMS) informou que não houve nenhum registro de queixa contra o Hospital Lourenço Jorge.

"O paciente Bruno Krupp foi atendido na noite de sábado após acidente de trânsito, passou por todos os cuidados e exames indicados, inclusive tomografia computadorizada, e teve alta no domingo. Em diversos momentos durante o atendimento ele expressou desejo de deixar a unidade e ir a um hospital da rede particular", informou a secretaria. "Não há registro de queixa do paciente sobre supostas condutas inadequadas por parte da equipe assistencial. Caso ele queira formalizar a reclamação, a direção do hospital abrirá um procedimento para apurar os fatos devidamente."

Tudo o que sabemos sobre:
atropelamentoBruno Krupp

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.