André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Câmara aprova decreto de intervenção federal na segurança do Rio

Por 340 votos contra 72 e uma única abstenção, deputados votaram a favor de Temer; texto vai para Senado ainda nesta terça-feira

Isadora Peron e Daiene Cardoso, O Estado de S.Paulo

20 Fevereiro 2018 | 02h32

BRASÍLIA - A Câmara dos Deputados aprovou na madrugada desta terça-feira, 20, o decreto que autoriza a intervenção federal na Segurança Pública do Rio. A matéria segue agora para o Senado, que deve apreciá-la ainda nesta terça. 

+ Entenda: o que é uma intervenção federal

Debate: o momento pedia esse tipo de debate?

Esta é primeira vez que o Congresso analisa uma matéria como essa desde a vigência da Constituição de 1988. O texto foi aprovado por 340 votos a favor, 72 contra e 1 abstenção. 

Por se tratar de um decreto presidencial, a intervenção já está em vigência. Coube ao plenário apenas dizer se aceitava ou revogava a decisão tomada pelo governo, sem ter o direito de fazer modificações no mérito da proposta. 

Maia: 'Se fosse intervenção militar, a Câmara derrotaria'

Debate: mandados de busca coletivos são legais e necessários?

Durante a votação, que durou mais de sete horas, parlamentares se revezaram na tribuna. O quórum se manteve alto durante toda a sessão, mas a oposição tentou obstruir os trabalhos e usou recursos para alongar a discussão. 

Maia: Câmara criará observatório de ações federais

Intervenção gera temor em moradores de favelas

Em ano eleitoral, os deputados do Rio também aproveitaram para fazer longos discursos e marcar posição. A maioria deles votou a favor da medida, com exceção de nomes do PT, PCdoB e do PSOL.

Inicialmente contrário ao decreto, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), fez uma contundente defesa da intervenção. Segundo ele, a medida tornou-se “urgente e necessária porque o poder estadual exauriu sua capacidade de impor a autoridade”. 

Em seu discurso, Maia defendeu a aprovação do decreto porque o crime organizado se transformou no “inimigo comum a todos os homens e mulheres de bem”. “Basta de nos chocarmos com a imensurável dor de pais e mães que perdem seus filhos e filhas brutalmente assassinados”, disse.

Para alguns deputados, o tom adotado por Maia foi de campanha, uma vez que ele é pré-candidato ao Palácio do Planalto.

No campo da oposição, o discurso foi de que o governo editou o decreto para gerar uma cortina de fumaça e esconder o fracasso da reforma da Previdência, admitido nessa segunda pelo Palácio do Planalto. “Sem voto para dizer aos bancos que não podia cumprir a reforma, o presidente Michel Temer tentou mudar a pauta desse País e se utilizou do desespero e da fragilidade das pessoas do meu Estado”, disse a deputada Jandira Feghali (PCdoB-RJ).

Os oposicionistas também acusaram o governo de usar a medida com intenção eleitoral. O decreto foi assinado por Temer na última sexta-feira, 16. A intervenção foi discutida na noite anterior com o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, que declarou ter perdido o controle da situação no Estado. A medida tem validade até 31 de dezembro.

Sugestões

Relatora da matéria, a deputada Laura Carneiro (MDB-RJ) fez sugestões ao texto, que devem ser analisadas pelo Executivo. A principal delas foi dar poder de polícia aos militares que atuarem durante a intervenção e garantir que sejam julgados somente pela Justiça Militar, e não pela Justiça comum, caso cometam alguma irregularidade durante as ações.

Ela também afirmou que o governo deve garantir recursos não apenas para as ações da intervenção, mas também para assistência social, tanto para este ano quanto para o Orçamento de 2019.  "É evidente que, sem o aporte significativo de recursos federais, a intervenção federal não conseguirá atingir minimamente seus objetivos", disse a deputada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.