Matt Sayles/Invision/AP, File
Matt Sayles/Invision/AP, File

Beyoncé pode desfilar pela Unidos da Tijuca

Assessoria da agremiação carnavalesca informou que negociações estão avançadas; cantora vem para o Rio em fevereiro cumprir agenda de shows

Constança Rezende, O Estado de S. Paulo

28 de setembro de 2016 | 10h28
Atualizado 28 de setembro de 2016 | 21h37

RIO - A cantora americana Beyoncé foi convidada para desfilar no Sambódromo no carnaval de 2017. A escola Unidos da Tijuca informou que está em “negociações avançadas” e é “uma possibilidade real” a presença da cantora no desfile da agremiação. A Unidos da Tijuca terá como enredo a música americana, principalmente a negra, e uma ala em homenagem à artista.

O otimismo da escola, vice-campeã do carnaval deste ano, não é compartilhado pela Sony Music, gravadora de Beyoncé no Brasil. “Definitivamente não temos informação quanto a isso”, informou a gravadora em comunicado. A negociação que poderá trazer a cantora à principal atração carnavalesca do Rio envolve o Consulado dos Estados Unidos no Rio e o Departamento de Marketing da Unidos da Tijuca.

Segundo o diretor do departamento, Bruno Tenório, é preciso combinar a agenda de espetáculos da cantora com o desfile, programado para 27 de fevereiro. Além disso, a escola tem de conseguir recursos financeiros para viabilizar a vinda dela. Tenório recusou-se a falar da quantia necessária para que Beyoncé desfile pela escola em 2017. 

A Unidos da Tijuca tem quatro títulos do Grupo Especial. “Queremos muito trazê-la porque ela é uma grande estrela da música americana, com repercussão internacional. Mas também temos de ter recursos para financiar a logística dela na cidade, como transporte, segurança e estada”, disse o dirigente, que revelou estar em entendimentos com o consulado há cerca de um mês. 

A esperança da Unidos da Tijuca é alimentada pelo rumor de que a cantora teria shows agendados para o Brasil em fevereiro. A agenda oficial de Beyoncé, por enquanto, não prevê espetáculos em fevereiro de 2017. O último concerto dela com data marcada está previsto para acontecer em New Jersey (EUA), no próximo dia 7. 

A escola de samba informa já ter feito reuniões para planejar o esquema de segurança em torno da cantora durante a chegada ao Sambódromo e o desfile. O coreógrafo Fábio Costa, que dirige a ala que homenageará Beyoncé, disse que já orientou os dançarinos a “não desmaiarem” e a não abordá-la.

Pelo menos 140 dançarinos participarão da ala, entre homens e mulheres. Todos calçarão salto alto e dançarão a coreografia Stiletto, difundida por Beyoncé, em ritmo de samba. “Temos de pensar que estamos desfilando para ganhar e nada pode nos atrapalhar, como um fã louco que resolver pular a grade para agarrar a Beyoncé ou fotógrafos que invadam a ala. Por isso, por questões de segurança, estamos pensando em botá-la em uma alegoria, atrás dos dançarinos que virão no chão. Temos de evitar o assédio”, disse Costa.

Rumor. Os boatos da vinda da cantora começaram quando Ferly Prado, a única dançarina brasileira de Beyoncé, postou um vídeo no Instagram, na semana passada. Ela pediu que a escola a chamasse para participar da ala que homenageará sua chefe. Em outro vídeo postado nesta terça, Ferly diz que Fábio Costa já a teria chamado. Mas não cita a possibilidade da participação de Beyoncé. 

 

 

Meu snap de ontém ❣️

Um vídeo publicado por ferlyprado (@ferlyprado) em

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.