EFE/Mario Vasconcellos/CMRJ
EFE/Mario Vasconcellos/CMRJ

‘Caso simbólico, Marielle pode servir de inspiração’, diz especialista

Para Deborah Sabará, a morte de vereadora vem marcar um momento de luta política em meio a retrocessos e corrupção

Entrevista com

Deborah Sabará, integrante do Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos

Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

15 Março 2018 | 23h12

SÃO PAULO - Integrante do Comitê Brasileiro de Defensoras e Defensores de Direitos Humanos, articulação de ao menos 23 entidades de ativistas sociais, Deborah Sabará lamentou a morte de Marielle Franco. Para ela, o caso, apesar de chocar, reforça a necessidade de mobilizações pela defesa dos direitos humanos, e pode inspirar jovens diante do simbolismo e do que representava a atuação da vereadora no Rio

+++ PERFIL - Marielle Franco: uma voz crítica às polícias do Rio 

Como o crime afeta a rotina de quem atua pelos direitos humanos no País?

O assassinato de Marielle, ao mesmo tempo em que choca e traz medo, leva a uma mobilização nacional. Parece-me que as pessoas acordaram e atos grandiosos se espalharam pelo País. O crime ataca a essência da defesa dos direitos humanos e representa a execução de um plano arquitetado contra essas políticas. A nossa marca é ter essa forma de atuação enraizada e a única forma de anular isso é o assassinato, o extermínio. Foi isso que aconteceu e é sobre o que temos falado há anos, sobre uma realidade de violência que já denunciamos e que tem ela como vítima agora.

+++ Batalhão alvo de denúncias de Marielle Franco é o que mais mata

E como o caso pode motivar ativistas a seguir atuando?

Eu era criança quando Chico Mendes morreu, um caso histórico. Ele me despertou sobre a importância da defesa do meio ambiente. Veio a Irmã Dorothy, com a defesa pela terra. A morte de Marielle vem marcar um momento de luta política em meio a retrocessos e corrupção. É um momento marcante e emblemático e que pode levar ao reconhecimento da necessidade de luta e ativismo para os jovens de hoje. A nossa luta é reforçada agora. A mobilização tem de continuar para que mais defensores de direitos humanos se assumam como tais.

+++ Assassinato é desafio para intervenção

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.