Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Cenário: Intervenção no Rio não pretende nem pode atingir efeito extraordinário

Meta mais importante e efetiva é o Plano Estratégico 2018 entregue ao presidente Michel Temer

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

15 Junho 2018 | 03h00

A intervenção da Defesa no Rio não pretende nem pode atingir resultados extraordinários no curto tempo de cinco, quase seis meses que ainda tem. A meta mais importante e efetiva é o Plano Estratégico 2018 entregue ao presidente Michel Temer pelo interventor militar, general Walter Braga Netto. É nele que estão as pistas da possível recuperação das polícias fluminenses.

A começar na renovação dos quadros de pessoal, um processo longo, estimado em quatro anos. Novos métodos e critérios de seleção, inspirados pelas avaliações de admissão nas Forças Armadas seria o modelo ideal. Mais urgente é a avaliação objetiva e técnica dos quadros atuais - cerca de 40 mil homens e mulheres. 

++ Chefe do gabinete da intervenção do Rio deixa o cargo

O reequipamento já começou: 265 novas viaturas foram compradas, assim como armamento e sistemas de comunicação modernos. A volta do Regime Adicional de Serviço (RAS), que permite aos praças e suboficiais estender suas jornadas de trabalho, também está vigorando. As operações de grande porte adotam protocolos de inteligência e mobilização, e não são mais determinadas pelo voluntarismo. A percepção de segurança pessoal é, entretanto, um objetivo distante. Os crimes de rua eram 11.182 em março. Em maio haviam caído pouco, para 11.021 ocorrências.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.