Polícia investiga 30 perfis suspeitos de ofensas a Taís Araújo

Atriz prestou depoimento na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática, que instaurou inquérito para investigar o caso

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

04 Novembro 2015 | 17h02

RIO - A Polícia Civil do Rio vai pedir à Justiça a quebra do sigilo de cerca de 30 perfis do Facebook para tentar identificar os autores das ofensas racistas postados contra a atriz Taís Araújo na noite do último sábado, 31. A atriz prestou depoimento nesta quarta-feira, 4, na Delegacia de Repressão aos Crimes de Informática (DRCI), que instaurou inquérito para investigar o caso. 

Quem for identificado será indiciado por injúria racial - neste caso, em que foi usada a internet para difundir a ofensa, a punição pode chegar a quatro anos de prisão. Se for comprovada a articulação entre os ofensores, pode ficar caracterizado também o crime de formação de quadrilha e a punição pode chegar a oito anos de prisão.

"É algo inadmissível, uma ignorância, uma falta do que fazer. A polícia está deixando de trabalhar em assuntos sérios para investigar uma brincadeira de mau gosto feita contra a atriz. Essa brincadeira tem repercussões criminosas, é um crime grave", afirmou o delegado Alessandro Thiers, responsável pela investigação.

 

 

É muito chato, em 2015, ainda ter que falar sobre isso, mas não podemos nos calar: na última noite, recebi uma série de...Posted by Taís Araújo on Domingo, 1 de novembro de 2015

Segundo o delegado, mesmo que o perfil tenha sido apagado é possível identificar de qual computador ele foi postado, e assim chegar à autoria. Thiers afirmou que, "numa análise rápida", foi identificada uma possível ligação entre as pessoas, o que indica a hipótese de formação de quadrilha para a prática de crimes de preconceito.

A atriz não conversou com a imprensa após prestar depoimento, nesta quarta, mas divulgou nota em que diz: "Presto depoimento porque sei que meu caso não é isolado e é exatamente o que acontece com milhares de outros negros no País". Ela agradeceu as mensagens de apoio que recebeu e disse crer que seu trabalho "é a melhor resposta para o preconceito".

 

A atriz participa da série "Mr. Brau", exibida pela TV Globo, e da peça de teatro "Topo da Montanha", em cartaz em São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.