Marcelo Sayao / EFE
Marcelo Sayao / EFE

Chuva volta a ganhar força no Rio e provoca alagamentos em várias regiões

Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou um alerta de condições severas para a cidade até sábado em razão das áreas de instabilidade; município está em estágio de atenção desde quarta-feira, quando sete pessoas morreram

Fernanda Nunes e Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

12 Fevereiro 2019 | 23h10
Atualizado 13 Fevereiro 2019 | 14h32

RIO - A cidade do Rio de Janeiro voltou a registrar chuvas na madrugada desta quarta-feira, 13, que provocaram vários pontos de alagamento e bolsões d'água em ruas da Lagoa, Gávea e Laranjeiras, na zona sul, da Barra da Tijuca e Itanhangá, na zona oeste, e da Tijuca e São Cristóvão, na zona norte. O município está em estágio de atenção desde a última quarta, quando desabamentos provocaram a morte de sete pessoas durante um temporal. Há previsão de chuvas ainda mais fortes até o fim do dia

Alto da Boa Vista, Grota Funda e Grajaú são os lugares que registraram o maior volume de chuvas. Alguns pontos de alagamento na Avenida Brasil, na zona sul e na zona norte já atrapalham o trânsito.

Na estação meteorológica da Marambaia, na zona oeste, foram observadas rajadas de vento de 73 km/h. De acordo com informações do Centro de Operações do Rio, a previsão é de que as pancadas de chuva na capital fluminense se estendam até o início desta noite. Por volta das 4h15, os bairros de Anchieta, Alto da Boa Vista, Guaratiba, Bangu, Santa Teresa e Jacarepaguá eram os mais atingidos pelas precipitações. 

Durante a madrugada, a Prefeitura do Rio identificou pelo menos dois pontos com acúmulo de água - na Praça Sibélius (sentido túnel Zuzu Angel) e na Avenida Lombardi (altura do BarraPoint) -, além da queda dos galhos de uma árvore que ocuparam uma faixa da Rua Humaitá, no Jardim Botânico, no acesso ao Túnel Rebouças.

As escolas das redes estadual e municipal do Rio não terão aulas nesta quarta como parte das ações para reduzir os efeitos das chuvas previstas.

A Prefeitura pediu a todos que fiquem em casa, se possível. As vias onde foram identificados riscos de deslizamento de encostas foram interditadas para o trânsito. O ponto de maior atenção é na comunidade do Vidigal, em São Conrado, onde houve deslizamentos na semana passada.

Desde cedo, o movimento nas ruas é menor do que o normalmente registrado em uma manhã de quarta-feira. Há vários bolsões de água atrapalhando a circulação, bem como queda de árvores em pelo menos quatro pontos diferentes da cidade.

A gestão municipal divulgou ainda uma série de recomendações sobre como proceder em caso de chuva forte e alagamento, que incluem dicas sobre deslocamento, proteção e até mesmo descarte de lixo.

A administração municipal também alterou o protocolo de acionamento das sirenes de alerta de possibilidade de deslizamentos de terra nas 103 áreas de risco pela cidade. O sinal, que normalmente é acionado quando a chuva acumulada no local chega a 55 milímetros, será dado hoje a partir de 45 mm.

Riscos e preocupação

O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgou um alerta de condições severas para o Rio de Janeiro desta quarta até sábado em razão das áreas de instabilidade durante a madrugada e nesta manhã. À tarde, é esperada a aproximação de uma frente fria combinada com baixa pressão próxima à costa do Estado.

"A previsão é de céu nublado passando a encoberto com chuva forte a muito forte, podendo vir acompanhada de raios e rajadas de vento. As temperaturas estarão em declínio acentuado, com máxima prevista de 27ºC e a mínima de 19ºC", informou o Centro de Operações. 

/

Com isso, são esperadas chuva intensa, raios e rajadas de vento que podem superar os 80 km/h. A Marinha divulgou um alerta de ressaca das 10h desta manhã às 10h de quinta-feira. São esperadas ondas de até 2,5 metros no litoral do Rio.

Segundo o Alerta Rio, um aplicativo da Prefeitura para indicar os pontos de risco à população, o Alto da Boa Vista e o Grajaú, na zona norte, concentravam os maiores registros de chuva na noite de terça-feira.

A concessionária de energia Light informou que faltou luz no Jardim Botânico, na zona sul, em razão da queda de um galho de árvore na rede de alta tensão. Técnicos da companhia foram ao local para restabelecer o fornecimento do serviço. Também houve apagão em Barra de Guaratiba, onde choveu forte à noite.

O Centro de Operações registrou bolsões d’água na Avenida Epitácio Pessoa com Vinícius de Moraes, em Ipanema, e também na Linha Vermelha, que liga o Aeroporto Tom Jobim a municípios da Baixada Fluminense. /COM AGÊNCIA BRASIL

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.