WILTON JUNIOR/ ESTADÃO
WILTON JUNIOR/ ESTADÃO

Chuva provoca uma morte e deixa um desaparecido no Rio

Uma mulher foi arrastada pela água na Baixada Fluminense; em Bangu. Motorista de aplicativo desapareceu após carro cair em canal

Roberta Jansen e Fabio Grellet, O Estado de S.Paulo

03 de fevereiro de 2020 | 10h30

RIO -  A forte chuva que caiu no Rio durante a noite de domingo e boa parte da madrugada desta segunda-feira, 3, matou uma pessoa e deixou outra desaparecida. Uma mulher morreu na madrugada depois de ser arrastada pela água, durante o temporal. Sebastiana Pereira da Silva, de 80 anos, estava dentro de casa, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. A água chegou a mais de um metro de altura dentro da casa. Outras duas pessoas foram arrastadas pela correnteza, mas conseguiram se salvar.

O motorista de aplicativo Alexandre Paulo da Silva, de 29 anos, desapareceu arrastado pela correnteza de um canal durante o temporal. Ele estava de carro com a mulher e o filho de 10 meses e acabou caindo em um canal ao tentar atravessar uma avenida na zona oeste da cidade. A mulher e o filho foram resgatados. Bombeiros e amigos de Silva vasculharam redes de escoamento de água da chuva para tentar localizar o corpo de Silva, que não havia sido encontrado atéa noite desta segunda-feira. O carro, a carteira e o celular dele já foram localizados e recolhidos.

Prejuízos

O temporal também provocou o desabamento de parte do teto do Hospital Municipal Raul Gazolla, em Acari, na zona norte, sem atingir ninguém. Uma casa também desabou em Bangu, na zona oeste, deixando três pessoas levemente feridas. A previsão para esta segunda-feira é de mais chuva, embora não tão intensa.

Bolsões de água e alagamentos atrapalharam o trânsito e o fluxo dos trens. Foram registrados mais de 40 pontos de retenção pela cidade. Por volta das 7h30 ainda havia problemas de fluxo na Linha Vermelha e na Avenida Brasil, duas das principais vias de acesso à cidade. Na supervia, problemas na sinalização decorrentes da chuva suspenderam o transporte em alguns ramais.

De acordo com o sistema Alerta Rio, a zona norte foi a região em que mais choveu. A chuva que caiu em Anchieta (113mm) equivale a 90,3% do esperado para todo o mês de janeiro. Choveu muito também no Alto da Boa Vista (100,6mm). Segundo a Defesa Civil Municipal, sirenes de alerta chegaram a ser acionadas em oito comunidades nas zona norte e oeste.

Foram registradas também rajadas de vento fortes, a mais intensa delas no Aeroporto Santos Dumont, no centro, com 59,3 km/h.

Desde as 19h50 do domingo, o município estava em estágio de atenção. A cidade retornou ao estágio de mobilização às 3h20 da madrugada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.