Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Cinco são presos por suspeita de tráfico em bairro-modelo do Rio

O 'Estado' revelou que traficantes tomaram o controle do projeto de política habitacional da Prefeitura do Rio, onde moram 9 mil pessoas

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

13 de novembro de 2014 | 17h37

RIO - Cinco homens foram presos na manhã desta quinta-feira, 13, por suspeita de tráfico de drogas dentro do Bairro Carioca, em Triagem, na zona norte do Rio, construído com recursos federais por meio do Minha Casa Minha Vida (MCMV) e inaugurado em 2012 pela presidente Dilma Rousseff (PT). Em sua edição desta quinta, o Estado revelou que traficantes haviam tomado controle do projeto modelo de política habitacional da Prefeitura do Rio, onde moram cerca de 9 mil pessoas.

O condomínio foi construído para ex-moradores de áreas de risco ou removidos de suas casas por obras da prefeitura. Os traficantes, segundo a Polícia Civil, ocupavam quatro apartamentos que, além de ponto de venda, serviam para armazenamento das drogas. Sem mobília, só colchões. Nos apartamentos, com os cinco suspeitos, a polícia apreendeu 3 mil "pinos" (uma forma de embalagem) de cocaína, 3 mil "sacolés" de maconha, 280 pedras de crack e outros 20 mil pinos vazios, que seriam usados para armazenar droga.


"Pela localização do condomínio, com metrô e trem na porta, os viciados tinham facilidade para comprar as drogas e isso virou um atrativo para os traficantes", disse o delegado Delmir Gouvea, da 21ª DP (Bonsucesso), responsável pela investigação. Com os presos, de idades entre 20 e 29 anos, foram apreendidas duas pistolas (uma delas de uso exclusivo das polícias). 

Como revelou o Estado, traficantes já não se importavam de ostentar armas pelas ruas do Bairro Carioca. "Não temos tranquilidade nenhuma, mais. As crianças não podem brincar", contou uma moradora. 

A investigação durou um mês. O delegado informou que tenta agora identificar outros integrantes da quadrilha, ligada ao Comando Vermelho, a principal facção criminosa do Rio e que domina também as comunidades do entorno - o Bairro Carioca fica numa das regiões mais violentas da cidade, próximo às favelas de Manguinhos, Jacarezinho e a chamada "Faixa de Gaza". Nas paredes do condomínio, espalham-se pichações com as siglas "CV". 

Como os imóveis são entregues pela Prefeitura, o delegado quer saber se os traficantes teriam expulsado moradores para ocupar os quatro apartamentos. 

Na semana passada, procurada pelo Estado, a Polícia Militar havia informado por meio de nota que o comandante do Batalhão da área (3º BPM, do Méier), tenente-coronel Renê Alonso, "desconhecia a denúncia de que traficantes circulam no local". Após a operação da Polícia Civil desta quinta, entretanto, a PM informou que "tem atuado continuamente no combate ao tráfico de drogas na região", que esta semana "duas pessoas foram presas" no Bairro Carioca e, desde janeiro, outros 16 suspeitos foram detidos no conjunto habitacional.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.