Reprodução/Instagram
Reprodução/Instagram

Cineasta Cadu Barcellos, assistente do Porta dos Fundos, é morto a facadas durante assalto no Rio

Diretor do documentário 'Cinco vezes Favela - Agora por nós mesmos', ele atuava como assistente de produções do Porta dos Fundos

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

11 de novembro de 2020 | 08h51
Atualizado 11 de novembro de 2020 | 11h53

RIO - O cineasta Cadu Barcellos, de 34 anos, foi morto na madrugada de terça-feira, 10, após sofrer um assalto no centro do Rio. Ele foi morto a facadas por volta de 3h30 da madrugada, pouco depois de deixar a Pedra do Sal, no Santo Cristo.

Segundo a Polícia Militar, policiais do 5ºBPM (Praça da Harmonia) foram acionados para verificar uma ocorrência na Avenida Presidente Vargas, próximo à esquina com a rua Uruguaiana. No local, encontraram Cadu já sem vida. O caso será investigado pela Delegacia de Homicídios.

"Um inquérito foi aberto para apurar as circunstâncias do crime. A perícia esteve no local e verificou que a vítima apresentava ferimentos provocados por instrumento perfurocortante, sobretudo na região do tórax", informou a Polícia Civil. "Testemunhas serão ouvidas na delegacia para esclarecer o caso e identificar a autoria do crime."

Diretor do documentário "Cinco vezes Favela - Agora por nós mesmos", Cadu Barcellos atuava como assistente de produções do canal Greg News e do Porta dos Fundos. Ele era casado e pai de um filho de 2 anos.

Nas redes sociais, amigos, jornalistas e personalidades políticas lamentaram a morte do cineasta. O movimento Redes da Maré postou uma nota em que diz estar "em luto pelo assassinato brutal do jovem e nosso querido amigo Cadu Barcellos. Nosso amor à família, que faz parte da nossa história, aos amigos e parceiros desse jovem que tanto produziu pelo nosso território".

O Porta dos Fundos também se posicionou. "Hoje nós do Porta dos Fundos acordamos profundamente tristes com a notícia do falecimento de Cadu Barcellos, um profissional amável, gentil, talentoso e dedicado, que trabalhou com a gente como assistente de direção na temporada de 2020 do programa Greg News (HBO). Aguardamos a apuração dessa tragédia e esperamos pela justiça, cientes de que nada pode reparar a perda da vida de uma pessoa tão jovem e querida", diz o texto.

Gregório Duvivier, apresentador do Greg News, disse que Barcellos era uma das melhores pessoas que já conheceu. "Um ser humano bom. Brilhante. Família. A morte do Cadu Barcellos deixa um buraco do tamanho do mundo."

"O que você nos ensinou durante sua passagem na terra, com certeza ficará de lição pra muitos favelados e faveladas dessa cidade", disse René Silva, criador do jornal Voz das Comunidades, que compartilhou uma foto com Cadu Barcellos nas redes sociais. 

Amanda Celio, repórter do Greg News, também lamentou a morte do colega em uma publicação: "Perdê-lo para violência do Rio é uma dor inexplicável".

O ator Renato Góes homenageou Barcellos em uma publicação no Instagram: "Pai. Guerreiro. Talentoso. Amado", escreveu ele. 

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Cadu. Pai. Guerreiro. Talentoso. Amado. Hoje foi vítima da violência do Rio de Janeiro. Até quando? #RipCadu

Uma publicação compartilhada por Renato Góes (@renatogoess) em

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.