Marcos Arcoverde/Estadão
Marcos Arcoverde/Estadão

Com muita cor, União da Ilha fala da história e dos sabores da culinária brasileira

Terceira a desfilar na Sapucaí, escola de samba levou alas e carros para a avenida que simbolizavam alimentos e temperos típicos do País

Fábio Grellet e Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

13 Fevereiro 2018 | 02h19

RIO - Oitava colocada no desfile de 2017, a União da Ilha do Governador foi a terceira escola de samba a desfilar no Rio de Janeiro na segunda noite de apresentações no sambódromo carioca. A escola da zona norte do Rio apresentou um enredo sobre a culinária brasileira e suas influências europeias, indígenas e africanas.

+ Atual campeã do carnaval carioca, Portela conta história de judeus na Sapucaí

Bastante colorida e animada, a Ilha começou a apresentação prestando uma homenagem às cozinheiras na comissão de frente. Depois vieram alas simbolizando o milho, o abacaxi, o caju, peixes, o pão de queijo, o açaí, a feijoada. As baianas vieram de banana, e o brinde ao carnaval foi com caipirinha e guaraná.

Foi uma apresentação com a cara da escola, que fez sucesso no final dos anos 1970 e início dos 1980 com enredos como "Bom, Bonito e Barato", "É Hoje" e "O Amanhã" - este samba, de 1978, foi usado no "esquenta" (período em que a bateria começa a se exibir, nos minutos que antecedem a entrada na passarela do samba) e levantou a arquibancada.

+ Unidos da Tijuca faz tributo alegre a Miguel Falabella

A escola pode até não voltar no desfile das campeãs, que reunirá, no próximo sábado, 17, as seis melhores escolas das duas noites de exibições, mas afastou qualquer risco de voltar à segunda divisão das escolas de samba do Rio, grupo que integrou pela última vez de 2002 a 2009.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.