Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Wilton Junior/ Estadão
Wilton Junior/ Estadão

Com reabertura gradual, Rio autoriza funcionamento de hotéis e retorno do futebol

Serviços de construção civil também retomaram as atividades a partir desta quarta-feira

Marcio Dolzan, O Estado de S.Paulo

17 de junho de 2020 | 16h01

RIO - A Prefeitura do Rio colocou em execução a segunda etapa do processo de reabertura do comércio, serviços e lazer na cidade. A partir desta quarta-feira, 17, estão autorizadas atividades esportivas em centros de treinamento, o funcionamento de consultórios de odontologia, serviços de construção e a reabertura de hotéis.

Com a Fase 2 - de um total de seis previstas na reabertura gradual da cidade -, o retorno dos jogos de futebol do Campeonato Carioca está permitido. Tanto que a Federação de Futebol do Rio (Ferj) se apressou e marcou Flamengo x Bangu já para esta quinta-feira, no Maracanã.

Nesta quarta, a movimentação nas ruas do Rio era intensa. Bairros como o de Copacabana, na zona sul, apresentaram grande circulação de pessoas e veículos. Algumas obras que estavam paradas desde o início da pandemia foram retomadas.


Previstos para reabrirem apenas nesta quarta-feira, os shoppings da cidade estão em funcionamento desde a quinta-feira passada, 11, por determinação do prefeito Marcelo Crivella (Republicanos). O funcionamento, no entanto, é com horário reduzido e com restrições de capacidade de atendimento.

Pelo decreto em vigor, o comércio em geral nas ruas da cidade deve permanecer fechado - a exceção são as lojas de decoração, de móveis e concessionárias de veículos. Apesar disso, muitos estabelecimentos têm funcionado há semanas. Bares, restaurantes e lanchonetes só podem funcionar por serviço de entrega, drive-thru ou para retirada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.