Tasso Marcelo/AE - 08/08/2011
Tasso Marcelo/AE - 08/08/2011

Comandante-geral da PM do Rio deixa o cargo

Demissão ocorre após indiciamento do tenente coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira, acusado de envolvimento na morte da juíza Patrícia Acioli

Pedro da Rocha, do Estadão.com.br

29 Setembro 2011 | 00h23

 O comandante-geral da Polícia Militar (PM), coronel Mário Sérgio Duarte, pediu exoneração do cargo na quarta-feira, 27, requisição aceita pelo secretário de Segurança do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame. Segundo nota da Secretaria de Segurança Pública do Rio de Janeiro (SSPRJ), "o nome do novo comandante geral da PM será divulgado o mais breve possível".

 

Em carta enviada a Beltrame, Duarte diz que deixa a função para "não deixar nenhum espaço para dúvidas quanto a minha responsabilidade no processo de escolha dos Comandantes, Chefes e Diretores da Corporação". Ele explica que se refere ao "indiciamento do Tenente Coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira no homicídio da Juíza Patrícia Acioli, e sua consequente prisão temporária".

 

A nota da SSPRJ informa que "o ex-comandante Mário Sérgio, reconheceu o equívoco e ciente do desgaste institucional decorrente de sua escolha, pediu, voluntariamente e em caráter irrevogável, para deixar o comando da PM". Duarte está de licença médica em decorrência de uma cirurgia.

 

Confira a íntegra da carta enviada pelo coronel Mário Sérgio Duarte a Beltrame:

 

"Exmo Sr Secretário de Estado de Segurança José Mariano Benincá Beltrame

Dirijo-me à V. Exa para solicitar exoneração do cargo de Comandante Geral da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro. O motivo de fazê-lo se fundamenta na necessidade de não deixar nenhum espaço para dúvidas quanto a minha responsabilidade no processo de escolha dos Comandantes, Chefes e Diretores da Corporação, preservando, de quaisquer acusações injustas,  as pessoas que me confiaram a nobre missão que assumi comprometido com a honra, e agora deixo, norteando tal decisão neste mesmo imperativo de valor.

Sobre o caso particular que me impõe esta decisão, o indiciamento do Tenente Coronel Cláudio Luiz Silva de Oliveira no homicídio da Juíza Patrícia Acyoli (sic), e sua conseqüente prisão temporária, devo esclarecer à população do Estado do Rio de Janeiro que a escolha do seu nome, como o de cada um que comanda Unidades da PM, não pode ser atribuída a nenhuma pessoa a não ser a mim.

O Rio de Janeiro, senhor Secretário, está em franco processo de recuperação de sua imagem como lugar de tranqüilidade pública e paz social não por acaso, mas, seguramente pela aplicação de um conjunto de ações norteadas pela clareza das idéias. O Estado, sua população, cada pessoa que por aqui transita em busca de paz e bem, devem continuar confiando nesta Política Pública que privilegia a vida, descontrói o ódio e reacende esperanças. Ao tempo que vos agradeço pela confiança depositada e o apoio nos momentos mais difíceis,  solicito-vos que encaminhe este pedido ao Exmo Sr Governador, a quem também explicito meus eternos agradecimentos pela oportunidade e a honra que me concedeu ao nomear-me Comandante de minha amada Instituição. Deixo de fazê-lo pessoalmente por me encontrar hospitalizado, convalescendo de uma cirurgia."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.