Bruno Marins / OAB/RJ
Bruno Marins / OAB/RJ

Comissão do Tribunal de Justiça inocenta juíza no caso da advogada negra algemada no Rio

Desembargador considerou que não houve irregularidade no comportamento de Ethel Tavares de Vasconcelos e ressaltou que a versão de Valéria Lúcia dos Santos está ‘em colisão com todo restante da prova que afirma que ela se jogou no chão’

O Estado de S.Paulo

26 Setembro 2018 | 06h06

RIO - O desembargador Joaquim Domingos de Almeida Neto, presidente da Comissão Judiciária dos Juizados Especiais (Cojes) do Tribunal de Justiça (TJ), considerou que não houve irregularidade no comportamento da juíza leiga Ethel Tavares de Vasconcelos no caso em que a advogada negra Valéria Lúcia dos Santos foi algemada durante audiência.

O caso ocorreu no dia 10 de setembro, no Fórum de Duque de Caxias. Vídeos que circularam nas redes sociais mostram a advogada sentada no chão e algemada por dois policiais militares, o que desencadeou muitos protestos e motivou uma manifestação, no dia 17, que contou com a presença do presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Claudio Lamachia.

Em um relatório divulgado nesta terça-feira, 25, o desembargador Almeida Neto levou em conta depoimentos de advogados que participaram da sessão, de serventuários que presenciaram a cena, dos dois policiais militares e também as imagens que circularam na internet e das câmeras de segurança do fórum.

Ao final do documento, o desembargador concluiu que não houve desvio funcional da juíza. “Assim, forte nas razões ora expostas, não se vislumbra prática de qualquer desvio funcional dos servidores envolvidos e da advogada juíza leiga Ethel Tavares de Vasconcelos”.

De acordo com o desembargador, a prova colhida deixa "patenteado que a advogada Valéria Lúcia dos Santos estava exaltada, e as testemunhas falam que achavam que a mesma ia agredir a advogada juíza leiga Ethel Tavares de Vasconcelos". No documento, Almeida Neto afirma que a versão da advogada - de que teve as mãos colocadas para trás e algemadas - está "em colisão com todo restante da prova que afirma que ela se jogou no chão".

Em nota, o presidente da Comissão de Prerrogativas da OAB/RJ, Luciano Bandeira, discordou da decisão do desembargador. Bandeira destaca que a OAB só tomou conhecimento da decisão por meio dos meios de comunicação, uma "vez que não integrou o procedimento, nem pôde participar da oitiva da juíza leiga ou das testemunhas arroladas".

“Causa-nos espécie e estupefação o fato de o tribunal não ter percebido qualquer tipo de ilicitude na inaceitável e reprovável decisão de algemar uma advogada no exercício de sua profissão. O Procedimento Ético Disciplinar no intuito de apurar, adequadamente, a conduta da juíza leiga está em curso em nosso Tribunal de Ética e Disciplina, que, ao contrário do TJ, ouvirá todas as partes, respeitando o direito à ampla defesa, ao contraditório e a todos os princípios legais pertinentes”, destacou o integrante da OAB.

A advogada Valéria dos Santos foi procurada pela reportagem para se pronunciar. Em um contato inicial, alegou estar em reunião. Depois, ela não retornou aos telefonemas. / AGÊNCIA BRASIL

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.