MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Concurso público para readequar Canecão será lançado até março

Casa de shows será primeira a entrar em obras; programação deve privilegiar apresentações que não têm lugar em casas comerciais

O Estado de S. Paulo

13 Janeiro 2015 | 17h15

RIO - O concurso público que será promovido pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e o Instituto de Arquitetos do Brasil (IAB) para a readequação do Canecão (atual Espaço UFRJ) deve ser lançado até março. A informação foi divulgada pelo coordenador do Fórum de Ciência e Cultura da universidade, Carlos Vainer, à frente do projeto de renovação da antiga casa de shows. Já está definida a criação de um centro cultural público, contendo o espaço para shows, de um centro de convenções, um hotel-escola e um estacionamento. Alguns prédios do câmpus da UFRJ na Praia Vermelha, perto do imóvel, em Botafogo, serão incluídos no projeto. 

As portas do ex-Canecão estão fechadas há quatro anos, desde que a UFRJ recuperou o imóvel, depois de longa batalha judicial (a administração do Canecão não pagava o aluguel devido). Desde então, a impressão de quem passa pela porta é de abandono completo. Vainer disse que a casa de shows será o primeiro lugar a entrar em obras. A intenção é que sua programação privilegie manifestações culturais que não têm lugar nas casas comerciais. Serão não só de música, mas também de artes cênicas e de dança. Porém, os grandes astros da MPB são bem-vindos (mediante pagamento de locação para os shows). Foram eles que fizeram a fama do Canecão em seus cerca de 40 anos de atividade. Entre os shows célebres, estão os de Tom Jobim, Maysa, Chico Buarque e Roberto Carlos.

"O Canecão não existe mais. Depois do concurso, a renovação da casa de espetáculos será a primeira obra contratada. Não vai mais ser uma casa comercial, queremos cumprir o papel de popularizar a arte e a cultura. A universidade não visa ao uso lucrativo daquele espaço. Estará aberta aos artistas de qualidade. Mas é claro que a Banda de Pífanos de Caruaru terá um tratamento diferente da Maria Bethânia", explicou Vainer.

Este ano, a UFRJ vai restaurar o mural "Última ceia", de 32m x 6m, de autoria de Ziraldo, que está emparedado no local desde 1967, quando o Canecão abriu como cervejaria (daí o nome). Pouco tempo depois, deu lugar à casa de shows. A obra foi então tapada, ficando até hoje vedada à exibição pública. O trabalho de restauro será aberto à visitação a partir de abril e a intenção da UFRJ é que tudo seja terminado até o fim do ano. 

"A UFRJ reafirma, assim, seu compromisso com a preservação da arte do País e do Rio. E faz desse gesto um passo a mais no seu engajamento para recuperar e devolver à cidade e a nossos artistas e músicos um grande espaço para espetáculos, agora como equipamento público, sem fins lucrativos, voltado para a democratização do acesso à cultura e à arte", informou a universidade em nota.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Canecão UFRJ

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.