André Teixeira/Agência O Globo
André Teixeira/Agência O Globo

Condenado por atropelar e matar operário, filho de Pitanguy prestará serviço comunitário

Empresário não precisará cumprir pena de 4 anos de prisão pela morte de José Fernando Ferreira da Silva

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

20 de junho de 2017 | 11h38

RIO - O empresário Ivo Nascimento de Campos Pitanguy foi condenado pela juíza Alessandra Bilac, da 40ª Vara Criminal do Rio, a quatro anos e oito meses de prisão pelo atropelamento e morte de José Fernando Ferreira da Silva, em 2015, mas só precisará prestar serviços comunitários e fazer uma doação em dinheiro. O empresário, de 60 anos, é filho do cirurgião plástico Ivo Pitanguy (1926-2016); Silva era operário da obra do metrô do Rio de Janeiro e morreu aos 44. 

A juíza determinou que o empresário, que dirigia sob o efeito de bebida alcoólica, deverá "prestar serviços em clínica ou instituição especializada na recuperação de acidentados de trânsito, pelo mesmo período da pena fixada, com carga horária de sete horas semanais". 

Além disso,  terá de doar R$ 300 mil à Associação Brasileira de Reabilitação (ABBR) e perderá a habilitação para dirigir pelo período de cinco anos. 

Atropelamento

Pitanguy respondia por homicídio doloso (quando há a intenção de matar), um crime cuja pena varia de seis a 20 anos de prisão. Ele dirigia à noite no bairro da Gávea, na zona sul do Rio, quando atropelou Silva, que trabalhava na construção da Linha 4-Amarela do Metrô e saía do serviço. O empresário perdeu o controle de seu carro.

Ele coleciona multas de trânsito, inclusive por dirigir embriagado, e já estava em vias de perder a carteira por acúmulo de pontos no Departamento Estadual de Trânsito (Detran).

O operário era pernambucano e foi enterrado em sua terra natal, de onde saíra, ainda jovem, para o Rio, com o sonho de melhorar de vida. Pitanguy chegou a ficar preso alguns dias, mas conseguiu liberdade logo, mediante uso de tornozeleira eletrônica.

Mais conteúdo sobre:
Ivo PitanguyRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.