Confronto entre traficantes e policiais mata quatro no Rio

Só neste fim de semana, mais seis pessoas morreram , em incidentes esparsos, na cidade

Marcelo Auler, do Estadão

26 de agosto de 2007 | 19h53

Dez pessoas foram assassinadas a tiros durante o fim de semana no Rio - uma delas, em tiroteio a menos de um quilômetro do Comando Militar do Leste onde, no Panteon de Caxias, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, participava da solenidade do Dia do Soldado. Outros quatro homens, segundo a Polícia, traficantes de drogas, morreram em suposto confronto com policiais militares em Santíssimo, na zona oeste da capital.   Pelo menos outras quatro pessoas foram mortas pela cidade, em incidentes esparsos, até a noite deste domingo, 26.   Participantes da cerimônia do CML puderam ouvir o som dos disparos trocados por policiais e traficantes na Providência.   O ministro deixou o Panteon de Caxias, mas o tiroteio prosseguiu durante a madrugada, a ponto de o comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar (Praça da Harmonia), coronel Edvaldo, ter ido às 3h30 de domingo ao morro para saber o que acontecia. Leandro Reis, de 26 anos, levou um tiro no rosto e foi socorrido por um motorista de táxi que o levou para o Hospital Souza Aguiar, mas não resistiu ao ferimento.   Segundo policiais da 4ª Delegacia Policial, Leandro estava envolvido com o tráfico de drogas no morro. Em Santíssimo, as quatro mortes ocorreram no Morro do Sossego. Policiais disseram ter apreendido, com os suspeitos mortos, três granadas, um revólver calibre 38, duas pistolas e drogas.   Menor   Um menor de apenas 13 anos foi morto no sábado de manhã por policiais militares na subida do Morro dos Macacos, em Vila Isabel, na zona norte. Segundo a Polícia, o garoto disparou contra os policiais. Atingido na cabeça, o menino morreu no Hospital do Andaraí. Segundo policiais, tinha uma pistola 45, com a numeração raspada.   Na madrugada deste domingo, um suposto assaltante, não-identificado, foi morto por policiais militares no Aterro do Flamengo, na Zona Sul do Rio, de acordo com a polícia em troca de tiros. Em Vaz Lobo, zona Norte do Rio, o motorista de ônibus Renato Félix da Silva, de 35 anos, na noite de sábado, foi assassinado com um tiro depois de dar uma fechada em um carro.   Já na Vila da Penha, também zona norte, Rafael Augusto de Oliveira, de 32 anos foi atingido por tiros disparados de um carro, cuja placa não foi anotada, e morreu. Ele estava na garupa de uma motocicleta guiada pelo cabo PM André da Silva Domingos, que perdeu o controle e caiu, machucando-se. Os bandidos ainda levaram a arma do cabo.   Em São Gonçalo, município da região metropolitana, o vigilante, Ronaldo Honório da Conceição, de 27 anos, morreu ao ser atingido por um disparo da arma do seu colega José Antônio Rocha, de 42 anos. Este se apresentou à polícia alegando que foi um tiro acidental.   No último sábado, no final da manhã, morreu no Hospital Alberto Torres, em Niterói, Jéssica Lima, de 18 anos. Ela e o namorado Adriano Richard Barbosa, de 23 anos, tiveram a moto roubada, na noite de sábado, na rodovia Niterói-Manilha. O assaltante, além de levar a motocicleta, disparou contra os dois. Barbosa, ferido com um tiro no pescoço, disse aos policiais que tinha reconhecido o ladrão. Até ontem à noite, continuava sob cuidados médicos.

Tudo o que sabemos sobre:
AssassinatoRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.