AFP
AFP

Controlador de tráfego acredita que trem não respeitou sinalização

Afirmação de funcionário da Supervia foi feita durante depoimento à Polícia Civil; 229 pessoas ficaram feridas em acidente

Fábio Grellet, O Estado de S. Paulo

07 Janeiro 2015 | 23h07

RIO - O controlador de tráfego da Supervia (concessionária de trens que interligam a Região Metropolitana do Rio) que trabalhava na noite de segunda-feira, 5, quando dois trens colidiram, deixando 229 feridos, em Mesquita, na Baixada Fluminense, afirmou à Polícia Civil nesta quarta-feira, 7, acreditar que a segunda composição, que estava em movimento, desrespeitou o sinal vermelho e causou a batida.

Fábio Oliveira Riboura prestou depoimento na tarde desta quarta-feira à 53ª Delegacia de Polícia (Mesquita), onde o caso é investigado. Sua oitiva demorou mais de três horas. Segundo a Polícia Civil, Fábio afirmou que o sistema de leds com que se orienta sinalizou que o trem em movimento não parou quando houve sinalização. 

Para que a situação fique comprovada ainda serão necessários outros depoimentos (inclusive do próprio maquinista, que deve ser ouvido nesta quinta-feira) e laudos periciais. Se ficar comprovado que o maquinista do segundo trem causou o acidente, ele pode ser processado por lesões corporais dolosas (intencionais). Até agora, o caso é tratado como lesões corporais culposas (sem intenção). 

O acidente. Um trem bateu na traseira de outro que estava parado na plataforma da estação Presidente Juscelino, no ramal Japeri, às 20h20 da última segunda-feira. Ninguém morreu.

Mais conteúdo sobre:
Supervia Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.