Divulgação/PRB
Divulgação/PRB

Coordenador da Diversidade do Rio relata que foi perseguido por homens armados

Nélio Georgini afirma que seis tiros foram disparados contra seu carro, mas ninguém foi atingido

Marcio Dolzan, O Estado de S. Paulo

01 Abril 2018 | 17h40

O Coordenador Especial da Diversidade Sexual do Rio, Nélio Georgini, relatou ter sido perseguido por dois motoqueiros armados na tarde deste domingo, 1, na capital fluminense. Segundo ele, os suspeitos chegaram a atirar contra o veículo em que estava, mas ninguém foi atingido. Georgini voltava de almoço com seu marido e familiares em um bar em Benfica, na zona norte do Rio, quando iniciou a perseguição.

Por meio de sua assessoria, Georgini contou que havia deixado o local por volta das 14h30. “Acredito que fomos seguidos do restaurante até o Bairro do Rocha, onde fui deixar meus pais em casa”, relatou. “Eles estavam usando capacetes e apontaram às armas para o meu carro. Fugimos pela Rua Ana Nery quando os motoqueiros emparelharam o carro e dispararam seis tiros.”

+ Após CPI, milicianos reocupam o Rio

Ainda segundo Georgini, nenhum disparo atingiu os ocupantes do veículo ou mesmo o veículo. No início da noite, ele informou que fará boletim de ocorrência na 15ª DP, na Gávea, nesta segunda-feira.

+ “Quanto tempo mais passa pior o resultado’, diz Janot sobre caso Marielle

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.