Francisco Campos Junior / EFE
Francisco Campos Junior / EFE

Covid-19 já matou pelo menos oito policiais no Rio

Mais de 2.100 policiais foram afastados temporariamente do trabalho por apresentarem sintomas da doença

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

05 de maio de 2020 | 17h04

RIO - Pelo menos oito policiais civis e militares do Rio de Janeiro já morreram vítimas do coronavírus até esta terça-feira. Outras três mortes estão sendo investigadas, e 252 agentes tiveram a covid-19. Mais de 2.100 policiais foram afastados temporariamente do trabalho por apresentarem sintomas da doença.

O impacto sobre a Polícia Militar é ainda maior. Sete PMs haviam morrido pela covid-19. Mais de 2.100 agentes já tinham sido afastados, por períodos distintos, por suspeita da doença, e 180 casos foram confirmados. Desde o dia 23, um contêiner refrigerado está instalado ao lado do Hospital Central da Polícia Militar, no Estácio (região central do Rio), para abrigar eventuais corpos de policiais militares. Questionada nesta terça-feira, a corporação não informou se o contêiner já precisou ser usado.

Na Polícia Civil, um agente morreu em razão da doença, e outras três mortes estão sendo investigadas Já foram confirmados 72 casos de covid-19 na corporação. Em nota, a Polícia Militar informou que “vem tomando diversas medidas para minimizar os impactos na tropa, como remanejamento de pessoal de saúde para atender pacientes com a doença, aquisição de insumos e equipamentos e readequação das policlínicas, do Hospital da Polícia Militar em Niterói (Região Metropolitana do Rio) e do Hospital Central da PM”. Segundo a corporação, “no Hospital Central houve necessidade da reestruturação de enfermarias e do Centro de Tratamento Intensivo para internação de pacientes graves com covid-19, com suporte de respiradores e monitores, reestruturação da rede de gases e vácuo e necessidade de reforço de energia, com aquisição de gerador”.

Ainda segundo a PM do Rio, “medidas emergenciais estão em andamento, como processos de contratação de pessoal para abertura de leitos no HCPM, recompondo parte do déficit de profissionais de saúde, como também o credenciamento de hospitais para a internação de policiais militares”.

A Polícia Civil informou, também em nota, que uma resolução publicada em 13 de março determina que “policiais civis com mais de 60 anos e com comorbidades que integram o grupo de risco sejam afastados para trabalho remoto.”

Agentes das duas forças de segurança estão usando máscaras e álcool m gel para minimizar o risco de contaminação pelo coronavírus.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.