Crescimento imobiliário ameaça sítios arqueológicos no Rio

Segundo pesquisador, patrimônio de pelo menos 15 sítios, localizado na Região dos Lagos, está sendo destruído

Agência Brasil,

29 Setembro 2007 | 19h41

O crescimento acelerado das cidades da Região dos Lagos, no litoral norte fluminense, é uma ameaça à preservação histórica local, alerta o arqueólogo Jouber De Decco. Ele integra a equipe do Instituto de Arqueologia (IAB), que trabalha nas escavações do Sambaqui da Tarioba, no município de Rio das Ostras.   Segundo ele, os inúmeros lançamentos imobiliários e a falta de informação da população sobre a importância da preservação desses sítios ameaçam um patrimônio rico em tradição. "Toda essa região do litoral tem muito sítio [arqueológico]. Só aqui em Rio das Ostras, já temos 15 sítios registrados, entre históricos e pré-históricos. Esse patrimônio precisa ser preservado e respeitado, pois está sendo destruído pelo crescimento imobiliário".   Esta semana, os arqueólogos concluíram a terceira etapa de escavações no Sambaqui da Tarioba, um sítio histórico de quatro mil anos, que guarda informações de uma população semi-nômade que ocupou a região antes dos índios. Durante o trabalho, foram encontrados cinco lâminas de machado, um possível afiador de flecha, presas de animais de médio porte, dente de tubarão e grafites usados como adorno.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.