Crimes com armas brancas caem 25% no Estado do Rio

Nos quatro primeiros meses do ano foram registradas 660 ocorrências, ante 890 no mesmo período de 2014

Danielle Villela, O Estado de S. Paulo

21 Maio 2015 | 20h15

RIO - A quantidade de crimes com armas brancas no Estado do Rio caiu 25% nos quatro primeiros meses do ano, em comparação com o mesmo período de 2014, segundo o Instituto de Segurança Pública (ISP). Somados os casos consumados e as tentativas de homicídio, latrocínio (roubo seguido de morte) e lesão corporal, foram registradas 660 ocorrências. No mesmo período de 2014, foram 890 casos, com o mesmo número de mortes: 77. 

Na capital, o número de feridos por armas brancas caiu 12%. Houve 167 feridos por facas ou objetos cortantes nas quatro maiores emergências, enquanto 190 vítimas foram socorridas pela mesma razão de janeiro a abril de 2014, segundo a Secretaria de Saúde. “O grande vetor da violência continua sendo a arma de fogo. Se houvesse aumento dos crimes com arma branca, paradoxalmente, seria um avanço, um indicativo da dificuldade dos criminosos de ter acesso a armas de fogo”, disse o sociólogo Ignácio Cano. Em 2014, as armas brancas foram usadas em 4,2% dos homicídios, 8,6% dos latrocínios e 1,6% das lesões corporais. 

Mas para o chefe de Polícia Civil, Fernando Veloso, porte de arma branca não configurar crime facilita a ação criminosa. “Se for surpreendido portando arma de fogo, vai ser apreendido”, disse à Rádio CBN. O presidente da Comissão de Segurança Pública da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB)no Rio, Breno Melaragno, defende um debate sobre a criminalização do porte de facas. “É uma brecha na lei.”

Nesta quarta-feira, o médico Jaime Gold foi esfaqueado e morto na Lagoa quando andava de bicicleta.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.