MARCOS DE PAULA/ESTADÃO
MARCOS DE PAULA/ESTADÃO

Criminosos fazem arrastão dentro do metrô na zona sul

Ao menos quatro homens roubaram dinheiro e pertences de passageiros entre as Estações Largo do Machado e Flamengo

O Estado de S. Paulo

13 Março 2015 | 07h40

Atualizado às 17h52

RIO - Quatro homens - pelo menos dois armados com pistolas - assaltaram passageiros de um vagão da linha 1 do metrô na noite desta quinta-feira, 12, no trajeto entre as estações Largo do Machado e Flamengo (zona sul do Rio), onde desceram. Até o fim da tarde, 16 pessoas tinham registrado na 10ª Delegacia de Polícia (Botafogo) o roubo de dinheiro e pertences. As vítimas estudam entrar com uma ação judicial conjunta contra a concessionária MetrôRio.
Os seguranças do metrô só foram acionados quando os passageiros do vagão atacado saltaram na estação seguinte, Botafogo. As vítimas relataram que foram ameaçadas caso desembarcassem na mesma parada que
os bandidos. Os quatro homens ainda não foram identificados pela Polícia Civil.
“Quando percebi, uma pessoa atrás de mim já estava sendo assaltada. Joguei o celular para debaixo do banco sem que ele (o bandido) percebesse e, logo depois de roubar essa pessoa, ele me abordou, apontando a arma pra mim”, afirmou um advogado de 37 anos que teve a mochila com cartões bancários e a chave de casa roubada. Depois de prestar depoimento, ele precisou recorrer a um chaveiro e só voltou para casa às 3h desta sexta.

O advogado, que pediu para não ter a identidade revelada, contou que os bandidos eram agressivos e ameaçavam os passageiros de morte caso algum deles desembarcasse na estação Flamengo. Depois que os criminosos deixaram o vagão, uma pessoa apertou o botão de emergência, o que fez com que o trem parasse. “O metrô parou bruscamente e eu fiquei nervoso deles voltarem e atirarem. Fiquei desesperado, fui para debaixo de um banco, me joguei no chão, porque pensei que eles iam eles iam voltar.”
Uma passageira que também pediu para não ser identificada disse que suspeitou de dois homens que discutiam em voz alta no vagão. “Eu entrei na Cinelândia. Senti que tinha alguma coisa errada, tinham dois rapazes falando muito alto. Sentei e pouco depois eles anunciaram o assalto. Abri minha mochila, dei meu celular e minha carteira. A mais nervosa de todo o vagão fui eu. Quando eles desceram e fecharam a porta, comecei a chorar.”
De acordo com a titular da 10ª DP, delegada Bárbara Lomba, os bandidos entraram na estação Central (centro) e seguiram rumo à zona sul. Os investigadores já requisitaram ao MetrôRio as imagens das câmeras de segurança. As gravações poderão ajudar a polícia a identificar os assaltantes. Ainda não é possível determinar se o caso tem ligação com o arrastão promovido por homens armados em novembro do ano passado em trem da linha 2 entre as estações Maria da Graça e Del Castilho, na zona norte. 
O celular de uma vítima foi localizado por um sistema de rastreamento no morro da Mangueira, na zona norte, mas a Polícia Civil ainda não pode afirmar que os criminosos pertencem à comunidade. O
telefone não foi recuperado.
O secretário estadual de Transportes, Carlos Roberto Osório, se reuniu na manhã desta sexta com o presidente da concessionária, Flávio Almada. Foi agendado para a próxima semana um encontro entre Almada e o chefe da Polícia Civil, Fernando Veloso.  “O MetrôRio está prestando total apoio aos seus usuários e auxiliando as investigações, fornecendo as imagens do incidente", divulgou a empresa.

Mais conteúdo sobre:
Rio de JaneiroViolênciaMetrô

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.