Tonia Rego/ Agência Brasil
Tonia Rego/ Agência Brasil

Criminosos roubam carga de celulares avaliada em R$ 3,4 milhões no aeroporto do Galeão

Rastreadores dos aparelhos mostraram que a carga foi levada para o Complexo de Favelas da Maré

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

18 Abril 2018 | 13h27

RIO - Criminosos armados e disfarçados de funcionários de uma transportadora roubaram uma carga de cerca de mil telefones celulares do terminal de cargas do Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão), na Ilha do Governador, zona norte do Rio. O Sindicato de Empresas de Transporte Rodoviário e Logística do Rio de Janeiro (Sindicarga) avaliou que o material valia US$ 1 milhão (cerca de R$ 3,4 milhões).

O roubo aconteceu por volta das 21h do último domingo, 15. Três homens entraram no armazém da Gol, onde os celulares de última geração estavam havia apenas um dia. A carga veio do Espírito Santo. Os criminosos renderam funcionários do aeroporto e levaram o material, de acordo com imagens registradas por câmeras do local.

+++ PF prende quadrilha de tráfico internacional de drogas que atua no aeroporto Galeão no RJ

Segundo o diretor de segurança do Sindicarga, coronel da reserva da PM Venâncio Moura, a transportadora identificou, pelos rastreadores dos celulares, que a carga foi levada para o Complexo de Favelas da Maré, próxima ao aeroporto, na segunda-feira. No entanto, as polícias Civil e Militar informaram a Moura que não poderiam entrar no local, por ser uma área de "alto risco" e por que naquele momento aconteciam conflitos entre traficantes.

"Tivemos que amargar esse prejuízo, pois se forem lá hoje, quarta-feira, 18, não vão achar mais nada. A carga já deve estar espalhada. Eram celulares de última geração, que tinham sido encomendados por lojas. A transportadora estava esperando para retirá-los do terminal por carro blindado, imaginavam que lá no aeroporto pelo menos a carga estaria segura", disse Moura.

 

A Polícia Militar informou que o 22ºBPM (Maré) foi informado sobre a possível localização da carga roubada na noite de segunda-feira, 16. O acionamento não foi feito pela Central 190. Segundo a corporação, foi avaliado que não se tratava de uma emergência, já que a carga tinha sido roubada no dia anterior, e este tipo de ação noturna demanda planejamento prévio que considere a segurança de moradores e policiais militares e os protocolos estabelecidos em decisão da 6ª Vara de Fazenda Pública de Comarca da Capital. A Polícia Civil também foi procurada, mas até o início da tarde desta quarta-feira, 18, tinha respondido apenas estar "apurando a informação".

O aeroporto do Galeão informou que "está à disposição para apoiar as investigações dos órgãos responsáveis sobre o assalto ocorrido no último domingo, às 21h40, no terminal de cargas destinado às companhias aéreas nacionais". A Gol, por nota, confirmou o assalto e afirmou que está colaborando com as investigações. "A GOL confirma que sua unidade de cargas do terminal do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro-Galeão, sofreu assalto na noite de domingo, 15 de abril", diz a nota. "A companhia ressalta que está colaborando com as investigações junto aos órgãos responsáveis."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.