CONSTANÇA REZENDE/ESTADÃO
CONSTANÇA REZENDE/ESTADÃO

Crise financeira paralisa obra do MIS em Copacabana

Há 3 meses canteiro está parado, o que ameaça a promessa de entrega para Olimpíada; governo busca nova licitação

Constança Rezende, O Estado de S. Paulo

22 Janeiro 2016 | 03h00

RIO - A crise financeira que atinge o Estado do Rio causou a interrupção das obras da nova sede do Museu da Imagem e do Som (MIS), na orla de Copacabana, zona sul. A construção, iniciada em 2011 no terreno em que durante anos funcionou a boate Help, deveria ter sido inaugurada em dezembro de 2014. Há três meses, a obra parou. O governo estadual não dá mais prazo para abertura do espaço, dedicado ao carnaval, à música, ao cinema e à fotografia.

A terceira fase das obras, que envolve o acabamento do prédio, nem foi licitada. Também não há data para a inauguração do teatro e do cinema a céu aberto, projetado para o terraço da edificação. Para cortar custos, o governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), no fim de 2015, extinguiu a Fundação Museu da Imagem e do Som, que administra o acervo da instituição. Mais cinco fundações e uma autarquia também foram extintas.

Na manhã de quarta-feira, 20, o Estado verificou o abandono do canteiro de obras, ao lado do edifício já erguido. Na frente da construção, tubos, pedaços de madeira, sacos de cimento e até galhos de árvores se amontoavam. O piso dos oito andares ainda está em cimento. As instalações elétricas não foram concluídas. As únicas pessoas que circulam na construção são seguranças e dez operários portugueses contratados pelo governo fluminense para fornecer e instalar vidros acústicos no futuro museu. 

Um desses trabalhadores, que não quis ser identificado, estima que, pelo aspecto do interior, o prédio não deverá ficar pronto antes da Olimpíada, em agosto. Em agosto de 2014, o então secretário estadual de Turismo Cláudio Magnavita afirmara que o museu abriria ao público em junho de 2015 e seria “uma das grandes atrações para a Olimpíada”.

Segundo a Secretaria Estadual de Cultura, “mais de 70% da obra já foi concluída”. No documento, a pasta informa que “falta apenas a conclusão da terceira e última etapa da obra” e, “em seguida, se dará a instalação do museu”. “Está em curso uma nova licitação para a contratação de construtora, que vai finalizar a obra”, diz o comunicado.

Valores. De acordo com a secretaria, o orçamento total das obras civis previstas para o MIS é de R$ 138,5 milhões. Desse total, R$ 4,2 milhões são de recursos do governo estadual, R$ 57,4 milhões de patrocínio e R$ 76,8 milhões do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), além de R$ 18,6 milhões pagos pelo governo do Estado para a desapropriação do terreno. Primeiro museu de audiovisual do País, o MIS foi inaugurado em setembro de 1965 e hoje funciona em dois endereços.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.