TASSO MARCELO/AGENCIA ESTADO
TASSO MARCELO/AGENCIA ESTADO

Crivella implode antigo prédio da Fazenda e trânsito é afetado no Rio

O prefeito carioca encabeçou nova operação, na manhã deste domingo, que desocupa e implode antigos edifícios públicos para construir conjuntos habitacionais do Minha Casa, Minha Vida

Leonardo Pinto, especial para o Estado

26 Agosto 2018 | 09h48

O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, realizou neste domingo, 26, a implosão de um antigo prédio do Ministério da Fazenda, no bairro da Mangueira. A ação acabou afetando o trânsito desta manhã na região norte e na parte central da capital carioca. Um esquema especial foi montado, envolvendo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET-Rio) e agentes da Defesa Civil para o controle de trânsito e segurança da região.

A Rua Visconde de Niterói, onde estava localizado o edifício pertencente ao Governo Federal, foi interditada por duas horas e outras rotas foram estabelecidas para quem passava pela região. A circulação de trens na SuperVia, consórcio que controla o sistema ferroviário do Estado do Rio de Janeiro, foi interrompida temporariamente e o metrô da capital, entre as estações Pavuna e Estácio, teve horário de abertura programado para mais tarde.

Implosões para habitação 

O prédio que pertencia ao Ministério da Fazenda é o segundo de cinco que serão demolidos para dar lugar a habitações populares do programa Minha Casa, Minha Vida, uma parceria com o Governo Federal e financiado pela Caixa Econômica Federal. O edifício tinha problemas estruturais e estava ocupado por 69 famílias, diz a Prefeitura. No terreno, serão construídas 120 unidades habitacionais, com prazo de conclusão de 18 meses.

De acordo com órgão público, os moradores fazem parte do acordo e serão realocados no empreendimento, junto com outras famílias da própria comunidade em situação semelhante.

“O trabalho de identificação de quem ocupava o antigo prédio da Fazenda foi iniciado dois meses antes da ação de desocupação”, informa a Prefeitura. Todas as famílias que viviam ali foram cadastradas e passaram a receber aluguel sócia, no valor total de R$ 800.

No dia 13 de maio, um antigo prédio do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também foi demolido para erguer conjuntos habitacionais do programa social. A Prefeitura do Rio de Janeiro promete 1.200 apartamentos do Minha Casa, Minha Vida na região. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.