Defensor de direitos humanos tem carro alvejado no Rio

Ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-RJ se salvou do ataque pois seu carro era blindado

Alexandre Rodrigues, de O Estado de S. Paulo,

20 de janeiro de 2008 | 20h34

Defensor de famílias de vítimas de arbitrariedades policiais, como torturas e execuções, o ex-presidente da Comissão de Direitos Humanos da seção fluminense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-RJ) João Tancredo teve o carro alvejado na tarde de sábado quando o dirigia na Linha Vermelha, na zona norte do Rio.  Ele só se salvou do ataque, aparentemente mais um da série de assaltos contra motoristas cometidos por motoqueiros desde o fim do ano passado, porque o automóvel, um Toyota, é blindado.  À noite, o deputado federal Sandro Matos (PTB-RJ) preferiu não confiar na blindagem do seu Passat e entregou o carro a bandidos depois de ter sido rendido por bandidos também na zona norte. Tancredo dirigia seu carro na Linha Vermelha, na altura de Vigário Geral, quando dois homens em uma moto atiraram contra o veículo. Pelo menos dois tiros atingiram a janela do lado do motorista, que foi salvo pelo vidro à prova de balas. O advogado acelerou e conseguiu fugir dos bandidos. "Foi tudo muito rápido, mas foram os segundos mais longos da minha vida", declarou.  Policiais militares perseguiram os criminosos, houve troca de tiros, mas eles fugiram. Um revólver que os criminosos deixaram cair foi apreendido. Ligado a movimentos de defesa dos direitos humanos, Tancredo denunciou indícios de execução entre os 19 mortos da megaoperação policial realizada no Complexo do Alemão em junho. Quando foi atacado, acabara de sair de uma reunião com familiares de mortos pela polícia numa favela próxima. O caso foi registrado na 38º DP. Apesar de o advogado ter recebido ameaças quando esteve à frente da comissão da OAB-RJ, a polícia trabalha com a hipótese de tentativa de roubo.  O deputado Sandro Mattos dirigia o seu Passat blindado quando foi interceptado por seis bandidos num Fox preto no Viaduto de Cavalcanti, zona norte do Rio. Eles estavam armados com pistolas e fuzis. Como estava com a mulher, os dois filhos (uma menina de 3 anos e um menino de apenas 2 meses) e a babá no carro, o deputado não tentou fugir e entregou o veículo aos criminosos. Pelo menos outros três carros foram roubados pelo grupo no local. A família do deputado ia a um casamento no Engenho da Rainha. Ninguém ficou ferido. "Eles estavam fortemente armados com revólveres e fuzis. O carro é blindado, mas não para fuzil. Então achamos melhor entregar para eles", contou o deputado. Mattos registrou o caso na delegacia de Inhaúma (44º DP), onde prestou depoimento. O carro dele foi encontrado abandonado numa praça do bairro na madrugada de domingo. Os freqüentes assaltos a motoristas têm preocupado os cariocas. No dia 30 de dezembro, a atriz Helena Ranaldi também escapou de um assalto por causa da blindagem do seu carro, uma Pajero. O carro dela foi alvejado duas vezes, mas ela conseguiu fugir. No mesmo dia, o cantor Paulinho da Viola teve um Honda Civic levado por assaltantes no Alto da Boa Vista.  Na mesma região, o ortopedista Lídio Toledo Filho e a mulher foram baleados por bandidos que tentaram levar seu carro na noite de réveillon. Filho do ex-médico da seleção brasileira Lídio Toledo, ele ficou paraplégico e permanece internado em estado grave. Baleada no braço, a mulher dele, Maria Silene Araújo, já teve alta, mas preferiu não dar entrevistas sobre o crime.

Tudo o que sabemos sobre:
violência no Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.