?SEVERINO SILVA/AGÊNCIA O DIA
?SEVERINO SILVA/AGÊNCIA O DIA

Delegada pede prisão de mais dois por estupro no Rio; jogador deve ser liberado

Polícia diz não ver necessidade de manter Lucas preso e pediu liberdade à Justiça; novo suspeito responde por tráfico e roubo

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

02 de junho de 2016 | 18h12

RIO - A delegada Cristiana Bento, titular da Delegacia da Criança e do Adolescente Vítima (DCAV) do Rio de Janeiro, pediu à Justiça a soltura de Lucas Perdomo Duarte Santos, jogador de futebol do Boavista preso na última segunda-feira, 30, sob acusação de participar do estupro coletivo a uma adolescente de 16 anos, em uma favela da zona oeste do Rio.

Segundo a delegada, não há razões para mantê-lo preso. “Não vejo indícios para mantê-lo preso. Isso não quer dizer que ele seja inocente ou não tenha nenhuma partipação no crime, mas se tornou desnecessário mantê-lo preso”, disse. Um dos advogados do atleta, Eduardo Antunes, já havia apresentado à Justiça pedido da revogação da prisão do jogador.

Nesta quarta-feira, 1, Antunes levou à delegada uma amiga da vítima do estupro, a quem ela teria relatado que Lucas não participou do crime. A vítima, Lucas, Raí de Souza (outro preso acusado de participar do crime) e uma segunda menina teriam ido a um imóvel conhecido como “abatedouro”, no Morro da Barão, na zona oeste, após um baile funk.

Raí admitiu que teve relações sexuais - segundo ele, consentidas - com a vítima, enquanto Lucas fazia sexo com a outra jovem. Lucas afirma que foi embora em seguida, levando a outra menina, e não presenciou o estupro coletivo. 

Na tarde desta quinta-feira, 2, Lucas foi transferido da Cidade da Polícia, no Jacaré (zona norte), onde estava desde a segunda, para o complexo penitenciário de Gericinó, em Bangu (zona oeste).

Prisões. A delegada pediu nesta quinta à Justiça a prisão de mais duas pessoas envolvidas com o caso. Uma delas é Moisés Camilo de Lucena, de 28 anos, acusado de ser o homem que segurava a vítima quando ela despertou, durante a sequência de estupros. Ele já tem dez passagens pela polícia por crimes como tráfico, roubo e porte ilegal de arma. A delegada não informou quem é o alvo do segundo pedido de prisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.