Antonio Lacerda/EFE
Antonio Lacerda/EFE

Depen analisa pedido de transferência de ex-PM ligado a morte de Marielle

Departamento Penitenciário Nacional deverá decidir para quais das cinco unidades federais Orlando Curicica será levado. Ele nega ligação com o crime e seu advogado protesta contra a transferência

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2018 | 17h32

RIO - O Departamento Penitenciário Nacional (Depen) confirmou o recebimento do pedido de transferência do ex-PM Orlando Oliveira de Araújo, o Orlando Curicica, de Bangu 1, no Rio, para um presídio federal de segurança máxima em outro Estado. O local do presídio, no entanto, só será divulgado após a transferência do preso por razões de segurança.

Ex-PM ligado a morte de Marielle presta depoimento e nega envolvimento com o crime

Araújo é apontado por uma testemunha como um dos responsáveis pelo assassinato da vereadora Marielle Franco e sua transferência foi pedida para evitar interferências nas investigações do crime. Ele nega participação no crime. Seu advogado, Renato Darlan, informou nesta quinta-feira, 16, que já impetrou um recurso ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) para impedir a transferência.

“Essa transferência nos preocupa muito”, afirmou Darlan. “Até porque não traz benefícios para ninguém; nem para o meu cliente, nem para a investigação da morte da vereadora. Se ele tiver que ser ouvido de novo, por exemplo, será um transtorno.”

Araújo foi ouvido durante toda a tarde de quarta-feira, 15, em Bangu 1, por uma equipe da Delegacia de Homicídios (DH) que investiga o assassinato de Marielle. Aos agentes, ele voltou a negar a participação na morte da vereadora. Ele também negou envolvimento com o vereador Marcello Siciliano (PHS), colega de bancada de Marielle, apontado pela mesma testemunha como mandante do crime.

Siciliano já prestou depoimento na condição de testemunha, mas deve voltar a depor, diante das acusações. Ele não foi intimado ainda, segundo a sua assessoria. O vereador também nega a acusação de envolvimento na morte da colega.

Investigações do Ministério Público apontam Araújo como líder miliciano em Curicica, na zona oeste, região de influência de Siciliano. Araújo é apontado pela polícia como responsável também pelo assassinato de Carlos Alexandre Pereira Maria, colaborador do gabinete do vereador, na zona oeste. Araújo também nega este envolvimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.