AFP PHOTO / Apu Gomes
AFP PHOTO / Apu Gomes

Depoimento: Na roleta carioca, prêmio é voltar vivo

Reportagem do 'Estado' presenciou perseguição e tiroteio

Wilson Tosta, O Estado de S.Paulo

05 Agosto 2017 | 03h00

Nem houve tempo para nos assustarmos muito. A pancada na traseira do carro de reportagem do Estado, forte, nos arremessou para a frente, de tal modo que, se não estivéssemos com os cintos afivelados, teríamos sido jogados contra o painel. Olhamos para trás e houve o segundo choque. E aí vimos o carro com os suspeitos passar. Uma viatura da PM seguiu, muito perto do veículo, em perseguição. Eram 22 horas de quinta-feira.

Estávamos no Boulevard 28 de Setembro, em Vila Isabel, na zona norte carioca. Recuperados do susto, aproveitamos o cruzamento e o trânsito parado para levar o carro para um recuo. Foi quando começou o tiroteio, 200 metros à frente. Levou alguns segundos até que entendêssemos que precisávamos nos abrigar, para evitar balas perdidas. Duas mulheres fizeram o mesmo, em uma transversal. Ficamos ali até que os tiros cessassem. 

Encerrado o tiroteio, fomos até onde o carro dos bandidos fora deixado. Os curiosos pareciam encarar tudo como normal. Olhavam o carro semidestruído e comentavam o confronto. No jogo de roleta que vivemos diariamente no Rio, vencemos mais uma vez. Chegamos vivos em casa.

Mais conteúdo sobre:
Vila Isabel Rio de Janeiro [RJ]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.