Desembarque de passageiros de 1º classe causa confusão no Rio

Presidente da Vale estava entre 'privilegiados' que desceram na pista

PEDRO DANTAS,

25 Julho 2007 | 21h44

O desvio de quatro vôos internacionais do Aeroporto de Guarulhos para o Aeroporto Internacional Tom Jobim provocou tumulto entre os 285 passageiros do vôo 247 da British Airways. A aeronave, que vinha de Londres, deveria fazer uma escala em São Paulo antes de aterrissar no Rio, mas devido ao mau tempo pousou na capital fluminense onde esperou por mais de uma hora pela melhora das condições meteorológicas em Guarulhos para decolar. A confusão ocorreu porque sete passageiros da 1ª classe foram autorizados a deixar a aeronave na pista, ao contrário dos 137 outros passageiros que desembarcariam no Rio e ficaram retidos no avião, que seguiu para Guarulhos onde sofreu outro atraso antes de aterrissar no Rio às 12h35, mais de cinco horas após o horário previsto de desembarque. "Me senti aviltada e insultada nos meus direitos. Uma família inteira saiu do avião. Todo o pretexto para nos manter dentro da aeronave era mentira. Tenho nome de alguns passageiros, porque isso não pode ficar assim. Vamos acionar esta empresa ou o responsável. Havia pessoas passando mal, mulheres grávidas e uma moça com pneumonia. Todos enclausurados", disse a artista plástica Adriana Barreto Andrade, que disse ter sido insultada por funcionários da companhia. Grávida de oito meses, a dona de casa Cristiane Viane, de 35 anos, que veio ao Rio para fazer o parto, estuda processar a companhia. "Pedi para sair e o funcionário da British não deixou, mesmo após uma família inteira saltar", disse Cristiane após o desembarque. Por meio de sua assessoria, o presidente da Vale do Rio Doce, Roger Agnelli, negou que houve qualquer privilégio no desembarque. Ele disse que estava acompanhado por dois familiares, que foram autorizados a desembarcar no Rio junto com outros quatro passageiros que estavam sem bagagem, pois a companhia teria extraviado a bagagem da família. A British Airways pediu desculpas pelo episódio e informou que não houve privilégios. De acordo com a empresa, os quatro passageiros desembarcaram no Rio, porque estavam sem bagagem e confirmou o extravio das malas da família de Agnelli. A companhia divulgou ainda que o atraso em São Paulo ocorreu por conta do intenso tráfego aéreo.

Mais conteúdo sobre:
CRISE AÉREA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.