Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Reuters
Reuters

Desfile da Orquestra Voadora atrai 100 mil foliões no Rio

Mais cedo, bloco das Carmelitas, em Santa Tereza também reuniu milhares de pessoas na zona sul

Fernanda Nunes, O Estado de S. Paulo

17 de fevereiro de 2015 | 21h04

RIO - Já no quinto dia de folia - o carnaval carioca começou de fato na sexta-feira -, nem o calor que ultrapassava os 30 graus Celsius nem o cansaço impediram o desfile da Orquestra Voadora, na tarde desta terça-feira, 17 no Aterro do Flamengo, atraindo 100 mil pessoas, segundo a Riotur, órgão da Prefeitura. Muitos foliões já tinham se divertido mais cedo pelo bloco das Carmelitas, em Santa Tereza, e programavam seguir a Banda de Ipanema, no fim da tarde, que também juntou 100 mil foliões na zona sul.

Entre os mais populares blocos da terça-feira de carnaval no Rio, os três, teoricamente, encerrariam a folia, mas, na prática, a brincadeira só acaba no domingo, com o derradeiro desfile do Monobloco, no Aterro do Flamengo.

"Não termina aqui não. Sábado e domingo estaremos juntos. Tem Monobloco", disse Bruno Rufino, de 23 anos, ao ser questionado se ainda havia energia para seguir a Orquestra Voadora. Ele e mais cinco amigos, moradores do bairro de Madureira, na zona Norte da cidade, formavam o grupo folião "Frutti-tutti" desde 2010. Neste ano, a fantasia compartilhada fazia referência ao filme "Meu malvado favorito". A Orquestra Voadora era o décimo bloco frequentado pelo grupo nos últimos cinco dias.


A Orquestra Voadora se formou recentemente: o primeiro desfile foi em 2009. No princípio, a festa era acústica. Há dois anos, o número de seguidores cresceu tanto, que foi indispensável o uso de carro de som, aumentando também os custos. Os gastos levaram os 13 fundadores do bloco a cogitar não desfilar neste ano, mas os integrantes decidiram custear o desfile do próprio bolso. "É impossível parar o bloco a essa altura", disse André Deda, um dos fundadores.

Ipanema. No lado dos blocos mais tradicionais, o segundo desfile da Banda de Ipanema tomou a orla do famoso bairro da zona sul do Rio, seguindo a tradição de iniciar a brincadeira ao som de "Cidade Maravilhosa" e de atrair muitos foliões fantasiados, com destaque para os homens travestidos - a ameaça de chuva forte não chegou a afugentar o público.

Por volta de 19h25, também como manda a tradição, os músicos paravam em frente a igreja Nossa Senhora da Paz para tocar "Carinhoso", de Pixinguinha. A tradição remonta a 17 de fevereiro de 1973, quando a banda se preparava para um de seus desfiles e foi surpreendida pela notícia da morte do músico. Mesmo assim, decidiu manter a festa, tocando "Carinhoso" ao passar pela igreja.

A Banda de Ipanema completou neste carnaval 50 anos de folia e ganhou até placa de homenagem numa praça do bairro. A agremiação também desfilou no sábado de carnaval e dois sábados antes da festa, como é tradição.

Também tradicional, o bloco Carmelitas arrastou 10 mil pessoas em Santa Tereza, em seu vigésimo-quinto aniversário. O Carmelitas fez o primeiro desfile na última sexta-feira, uma marca da abertura do carnaval de rua no Rio. Segundo o folclore, nas sextas-feiras antes do carnaval, uma freira carmelita do convento localizado no bairro tinha por hábito sair escondida para brincar pelas ruas, por onde ficava até a terça-feira, dando "motivo" para o bloco voltar no último dia de folia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.