Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

Desvincular Museu Nacional da UFRJ seria 'ato arbitrário e autoritário', diz universidade

Instituição fluminense se manifestou nesta sexta sobre a possibilidade cogitada pelo governo Michel Temer.

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

07 Setembro 2018 | 23h52

RIO - Em nota divulgada na noite desta sexta-feira, 7, a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), se posicionou sobre a hipótese de o Museu Nacional ser retirado de sua administração. “Qualquer medida dedicada a retirar da UFRJ o Museu Nacional representaria ato arbitrário e autoritário contra a autonomia universitária e a comunidade científica do país", declarou a instituição.

A nota segue acrescentando que o Museu Nacional não é uma instituição dedicada exclusivamente à guarda de acervo. "Além da guarda da memória, da cultura do país e do mundo, ali se produz conhecimento, ciência de ponta reconhecida pela Capes com a nota 7, maior índice de avaliação possível para uma instituição acadêmica no Brasil. O Museu Nacional é uma unidade da UFRJ dedicada a ensino, pesquisa e extensão, cuja indissociabilidade é prevista no artigo 207 da Constituição Federal." 

A universidade diz ainda que o corpo "altamente qualificado de docentes, pesquisadores, estudantes e servidores técnico-administrativos em educação do Museu jamais poderia se submeter a uma organização social ou qualquer outra instituição que não seja a UFRJ.”

A possibilidade de o governo federal realizar tal alteração surgiu nesta quinta-feira, 6, quando o presidente Michel Temer passou a considerar a edição de uma medida provisória com esse fim. 

A ideia da MP foi discutida em reunião com banqueiros e empresários e os patrocinadores dos futuros fundos afirmaram considerar a proposta importante, de acordo com fontes que estiveram no encontro. Os empresários reclamaram da governança e da gestão dos museus e das instituições culturais do País e a ideia de retirar o Museu Nacional da UFRJ foi apresentada como uma contrapartida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.