Tomaz Silva/Agência Brasil
Tomaz Silva/Agência Brasil

Diretor de saneamento da Cedae é afastado em meio à crise da água no Rio de Janeiro

Desde o começo de janeiro, moradores da cidade reclamam sobre o gosto, cheiro e aspecto da água; Ministério Público e polícia investigam o problema. Cedae nega que a água distribuída faça mal, mas especialistas dizem que há risco à saúde

Roberta Jansen, O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2020 | 16h47

RIO DE JANEIRO -  O diretor de saneamento da Companhia Estadual de Águas e Esgotos (Cedae), Marcos Chimelli, foi afastado nesta sexta-feira, 17, do cargo. Desde o último dia 6, a Cedae vem recebendo queixas de moradores do Rio sobre o gosto, o cheiro e o aspecto da água que sai das torneiras. A Polícia Civil e o Ministério Público estão investigando o problema.

O governador Wilson Witzel, que estava de férias na Disney, voltou na quinta-feira, 16, ao país, em meio à crise da água. Na última terça-feira, ele já havia publicado em uma rede social que a situação era “inadmissível” e que a empresa deveria “acelerar a solução definitiva” do problema. Nesta sexta, 17, Witzel teria se reunido com o presidente da Cedae, Hélio Cabral, para tratar da questão. Durante a semana, Cabral deu uma entrevista coletiva na qual pediu desculpas à população e promteu que a situação será normalizada até semana que vem. 

Funcionários da Cedae estiveram na manhã desta sexta na Delegacia de Defesa dos Serviços Delegados (DDSD) para prestar esclarecimentos, entre eles, o ex-chefe da Estação de Tratamento de Água do Guandu Júlio César Antunes, que foi afastado do cargo na última terça-feira, e o atual responsável pela área, Pedro Ortolano.

Também na manhã desta sexta, policiais voltaram ao Guandu para colher amostras de água. Na véspera eles já tinham estado na estação de tratamento. A polícia investiga se houve falhas na operação da companhia ou mesmo sabotagem que possam ter levado à contaminação da água pela geosmina - uma substância formada por algas na presença de matéria orgânica e calor e que causa o gosto e o cheiro de terra na água.

A Cedae garante que a única alteração encontrada na água foi a presença da geosmina e que ela não faz mal à saúde. No entanto, há diversos relatos de pessoas que teriam passado mal depois de ingerir a água. Especialistas afirmam que a geosmina não causa o aspecto turvo que muitos moradores vêm apontando na água e que a turbidez poderia ser causada por algum outro contaminante. Em comunicado conjunto, especialistas da UFRJ afirmaram que há riscos à pouplação na água distribuída no Rio.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.