Dois homens são presos por sequestro, tortura e morte de PM em Bangu

Soldado Ryan Procópio é um dos cinco policiais assassinados no Rio em menos de uma semana; um menor também foi apreendido

Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo

02 Dezembro 2014 | 09h02

RIO - Dois homens foram presos e um menor, apreendido, suspeitos de participação no sequestro, na tortura e no assassinato de um soldado da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) da Vila Kennedy na segunda-feira da semana passada, um dos cinco policiais militares assassinados em menos de sete dias no Rio de Janeiro. Os três foram detidos na madrugada desta terça-feira, 2, por policiais do Batalhão de Policiamento em Vias Especiais, em Bangu, na zona oeste.

Segundo a PM, o grupo passava pela Avenida Brasil em um carro roubado. Dentro do veículo, os militares informaram ter encontrado um fuzil. Os três foram levados para a 34ª Delegacia de Polícia Civil, em Bangu, e o menor teria confessado participação na morte do soldado Ryan Procópio, de 23 anos.

Muito machucado, um dos presos foi levado antes ao Hospital Estadual Albert Schweitzer, em Realengo, também na zona oeste, e depois para a delegacia. Ainda não há informações sobre o que provocou as lesões. 

O policial morto era irmão de um tenente do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e filho de um dos fundadores da unidade, a tropa de elite da PM fluminense. Sequestrado no fim da noite de segunda-feira da semana passada na Estrada do Taquaral, Procópio foi encontrado já sem vida a cerca de três quilômetros dali, próximo à Avenida Brasil. 

Inicialmente, a polícia afirmou acreditar que fosse uma tentativa de assalto que terminou em assassinato após Procópio ter sido reconhecido como militar. Ainda não há informações sobre o que teria motivado o trio detido nesta madrugada.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro Violência UPP Bangu

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.