Ellis Rua / AP
Ellis Rua / AP

Eleições não podem atrapalhar apuração do caso Marielle, diz Anistia Internacional

Diretora executiva da ONG ressalta ‘a urgência do estabelecimento de um mecanismo externo e independente de monitoramento das investigações’

Roberta Pennafort, O Estado de S.Paulo

14 Agosto 2018 | 08h28

RIO - No dia em que se completam cinco meses do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL), a Anistia Internacional manifestou sua preocupação à Secretaria de Segurança do Rio de que o período eleitoral possa atrapalhar as investigações. 

A ONG diz, em ofício ao secretário Richard Nunes e outras autoridades, divulgado à imprensa nesta terça-feira, 14, que os trabalhos da polícia não podem ser "negligenciados" em razão do período eleitoral. 

Defensora dos direitos humanos, a vereadora e seu motorista, Anderson Gomes, foram executados no dia 14 de março no bairro do Estácio, região central do Rio. A Delegacia de Homicídios investiga o caso e ainda não conseguiu estabelecer os nomes dos possíveis mandantes, executores ou mesmo a motivação. 

Veja abaixo: polícia reconstitui assassinato de Marielle

A Anistia lembra que Marielle foi a quinta vereadora mais votada da cidade nas eleições de 2016 e vítima de um caso que teve repercussão mundial.

Jurema Werneck, diretora-executiva da Anistia Internacional, ressaltou "a urgência do estabelecimento de um mecanismo externo e independente de monitoramento das investigações, formado por especialistas no tema e que não tenham qualquer conflito de interesses em relação ao caso". Suspeita-se que políticos e policiais estejam envolvidos na morte da vereadora.

O ofício foi enviado às seguintes autoridades: o chefe da Polícia Civil, Rivaldo Barbosa; o secretário Richard Nunes; o interventor federal, Walter Souza Braga Netto; o procurador-geral do Ministério Público, José Eduardo Ciotola Gussem; a procuradora federal dos Direitos do Cidadão, Deborah Macedo Duprat de Britto Pereira; e o ministro da Justiça, Torquato Jardim. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.