Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Em abril, polícia do Rio mata mais de cem e letalidade sobe 26,3%; roubos caem

Esse é o segundo balanço que abrange um mês inteiro desde que começou a intervenção federal na segurança pública no Estado. Roubos de carro, carga, a ônibus e residências tiveram queda, enquanto homicídios cresceram

Roberta Pennafort e Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

17 Maio 2018 | 18h51

RIO - O número de mortes cometidas por policiais em supostos confrontos no Estado do Rio aumentou 26,3% em abril, na comparação com o mesmo mês do ano passado, conforme divulgou nesta quinta-feira, 17, o Instituto de Segurança Pública (ISP), braço estatístico da Secretaria de Segurança. Foram 101 registros oficiais de “homicídio decorrente de oposição à intervenção policial” contra 80 em abril de 2017. Todos os índices de roubo (de cargas, de carros, a ônibus, a transeuntes e a residências) caíram, mas as mortes (letalidade violenta) aumentaram.

+ SP: Em ano de letalidade recorde, secretário abre mãe de desconto em bônus a policiais

Esse é o segundo balanço que abrange um mês inteiro desde que começou a intervenção federal na segurança pública do Rio. A medida foi decretada pelo presidente Michel Temer (MDB) no dia 16 de fevereiro, como uma tentativa de conter a violência no Estado. A partir dela, foram desencadeadas ações das Forças Armadas e das polícias contra o tráfico de drogas, roubos de cargas e outros crimes. Os números de fevereiro retratavam um período parcial da intervenção (apenas a partir do dia 16), enquanto março já transcorreu integralmente sob a medida.

+ Dois PMs são mortos e número de vítimas no Rio já chega a 50 em 2018

A letalidade violenta, que engloba quatro tipos de crimes (homicídios, roubos seguidos de morte, lesões corporais seguidas de morte e mortos em ações policiais), cresceu 9,8% no mês passado em relação a abril de 2017 (592 casos, ante 539). Considerando apenas os homicídios, houve aumento de 8,9% em relação a abril de 2017 (475 casos contra 436), mas queda de 5,6% em relação a março de 2018, quando foram registrados 503 casos.

Apesar do crescimento de 26,3% na comparação com abril de 2017, os mortos em ações policiais (autos de resistência) já chegavam à casa dos cem desde o início deste ano: foram 154 em janeiro, 100 em fevereiro, 109 em março e 101 em abril.

Patrimônio. O roubo de veículos caiu pela primeira vez neste ano quando comparado com o mesmo período de 2017. Foram 4.657 registros, redução de 4,8% sobre os 4.891 do ano passado. O número caiu mais ainda ante março de 2018, quando foram roubados 5.358 veículos no Estado - recorde histórico desde o início da série histórica, em 2003. Em comparação com março, foram 701 ocorrências a menos. A diminuição desse tipo de roubo se deu especialmente na Baixada Fluminense, em municípios como Nova Iguaçu, Mesquita, Nilópolis e Duque de Caxias. Já nas regiões de Belford Roxo, Itaboraí, Cachoeiras de Macacu, Silva Jardim, Tanguá e Rio Bonito os casos aumentaram em relação a abril de 2017.

Nessas mesmas regiões também cresceram os roubos de carga, um dos dos crimes mais preocupantes atualmente no Estado. No Estado inteiro, os registros desse crime caíram 13,6% em comparação com abril de 2017. A região onde esses roubos mais caíram engloba Penha, Vicente de Carvalho e outros bairros das zonas norte e oeste. Os roubos a transeunte, de aparelho de telefone celular e em coletivos encolheram 12,6%, e os roubos a residência, 18,9%.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.