Em Cabo Frio, ônibus param de circular por falta de segurança

No domingo, caixas eletrônicos, três ônibus e um caminhão foram depredados e queimados, e motoristas foram ameaçados

Thaise Constâncio, O Estado de S. Paulo

27 Outubro 2014 | 16h08

RIO - A circulação de ônibus nas cidades de Cabo Frio, Arraial do Cabo, Búzios e São Pedro da Aldeia, na Região dos Lagos fluminense, foi paralisada durante toda a manhã desta segunda-feira, 27, em um protesto contra a falta de segurança na região. No domingo, 26, caixas eletrônicos, três ônibus e um caminhão foram depredados e queimados, e motoristas foram ameaçados.

A paralisação começou às 9h, após reunião entre representantes da Auto Viação Salineira, única empresa que atua nos quatro municípios, e do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Passageiros de Niterói a Arraial do Cabo (Sintronac). Os ônibus voltaram a circular "aos poucos" por volta de meio-dia.

"Foi uma paralisação por conta da violência urbana. O batalhão (25º BPM, de Cabo Frio) nos garantiu a segurança e a integridade dos ônibus e dos trabalhadores", afirmou João Gustavo Pereira, administrador o Sintromac.

O Batalhão de Choque chegou à cidade no domingo para controlar o tumulto, no entorno da Favela do Lixo. "O Choque está no local para garantir um reforço no patrulhamento e novas ações estão sendo planejadas para local", disse a Polícia Militar em nota.

Os ataques começaram após a morte de quatro traficantes durante operação policial na Favela do Lixo. Um dos mortos seria o chefe do tráfico de drogas local. Por causa do clima de insegurança, as aulas foram suspensas em quase 70 unidades escolares.

Foram apreendidos três fuzis, duas pistolas, um colete balístico, carregadores de fuzil e pistola, cápsulas de cocaína, um rádio transmissor e diversos celulares. O material foi levado para a 126ª Delegacia de Polícia (Cabo Frio). O policiamento está reforçados em São Pedro da Aldeia e Cabo Frio.

Mais conteúdo sobre:
Cabo Frio Rio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.