Reprodução
Reprodução

Empresário flagrado agredindo atriz se entrega à polícia no Rio

Sergio Schiller Thompson-Flores está preso preventivamente em uma unidade do sistema penitenciário fluminense. Vítima gravou ataques e denunciou o caso

O Estado de S.Paulo

26 Novembro 2018 | 22h49

SÃO PAULO - O empresário Sergio Schiller Thompson-Flores se entregou à polícia na noite deste domingo, 25. Contra ele, havia um mandado de prisão preventiva decorrente das agressões cometidas contra a atriz Cristiane Machado, que gravou os ataques sofridos e denunciou o caso às autoridades.

Ao Estado, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap) confirmou que Thompson-Flores "ingressou no sistema prisional do Estado do Rio de Janeiro na noite de domingo", mas não deu informações sobre o presídio para o qual ele foi levado. A prisão preventiva não tem prazo definido de duração e pode se estender até o julgamento do caso e as apreciações de eventuais recursos. 

No dia 18 de novembro, as imagens das agressões foram veiculadas pelo programa Fantástico, da Rede Globo. As gravações mostram tapas, empurrões e até uma tentativa de enforcamento da vítima, que foram flagradas por câmeras instaladas no quarto do casal. Os dois se conheceram em março de 2017, engatando um namoro em maio do mesmo ano. Em agosto, houve o pedido de casamento, registrado no civil em novembro, com uma cerimônia religiosa em abril de 2018.

"Começa muito sutil, um empurrão, uma palavra grosseira. Ele me diminuía, me chamava de 'burra'. Não gostava do meu trabalho, então queria me tirar da vida de atriz. Eu não podia mais ter senha no celular, ele tinha que ter acesso ao meu celular", contou Cristiane ao Fantástico.  

De acordo com ela, a primeira agressão teria ocorrido logo após o casamento civil, em que a teria empurrado e lhe dado um tapa após ser questionado por ela sobre o motivo de estar aparentemente estressado ao chegar em casa. 

Cristiane chegou a se afastar de Sergio, mas resolveu perdoá-lo após ele pedir desculpas, inclusive perante a sua família: "É uma linha muito tênue a gente entender que um empurrão é uma agressão, você tem que entender que ali já acabou a relação."

"A violência foi tão grande que ele pegou um fio de telefone, de carregador, bem grosso, botou no meu pescoço e tentou me enforcar [...] porque eu tava ameaçando ir embora, então ele me deixou presa no quarto. Trancou todas as portas, fechou tudo e falou: 'Você não vai sair daqui se não você morre'. Eu te mato e depois eu me mato", contou.

A defesa de Sergio "nega as acusações de agressão e considera ilegal a decisão que decretou a prisão", além de considerar que as imagens "foram editadas por ela e representam uma reação a uma ação anterior, que teria sido praticada pela própria Cristiane." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.