Encontrada menina seqüestrada por falsos produtores de TV

A polícia ainda não sabe qual foi a motivação do seqüestro; dois suspeitos foram presos

Pedro Dantas, da Agência Estado,

25 Abril 2008 | 16h41

Em menos de 48 horas a polícia do Rio encontrou a bebê Isabela Leal Rodrigues Vasques, de apenas 29 dias, seqüestrada na noite de quarta-feira por dois casais que se passaram por produtores do programa Mais Você, da Rede Globo. A criança e pelo menos três seqüestradores foram localizados numa casa em Maricá, na Região dos Lagos, por agentes da 73.ª Delegacia de Polícia (Neves-São Gonçalo). Um produtor da Agência Nacional de Talentos também foi preso. Ulisses Pereira, de 23 anos, é apontado pela polícia como articulador do seqüestro. Ele trabalhava na empresa havia nove meses.   Uma denúncia anônima à Fundação da Infância e Adolescência (FIA) levou a polícia a Maricá. Dois policiais estiveram no endereço suspeito e prenderam um dos casais de seqüestradores, que foi levado à delegacia. A mãe da criança, a dona-de-casa Luciana Cristina Leal Rodrigues Vargas, de 25 anos, reconheceu os dois. E, numa fotografia apreendida com eles, indicou a falsa produtora do Mais Você, que havia se apresentado como Angélica. A polícia voltou ao local e encontrou Angélica na casa. Ela estava no sofá, oferecendo água ao bebê, e não resistiu à prisão.   Ao receberem a notícia da localização do bebê, familiares e policiais se emocionaram. "Eu posso me aposentar agora. Depois de 42 anos de polícia, eu merecia isso", disse o delegado titular da 73.ª DP, Leonilson Ribeiro. No reencontro entre mãe e filha, a primeira providência foi amamentar a faminta Isabela. "Estou muito feliz. Tentaram acabar com a minha felicidade, mas não conseguiram. Agora, eles (os seqüestradores) vão responder por isso pelo resto da vida", disse emocionada a dona-de-casa Luciana Cristina Leal Rodrigues Vargas, de 25 anos.   Os três seqüestradores começaram a ser interrogados no início da noite. Momentos depois, a polícia anunciou a prisão de Ulisses Pereira, que também se dizia enganado pela falsa produtora. A gerente da ANT, Bete Fernandes, estava na delegacia e reagiu com surpresa à notícia da prisão. Até as 18 horas, a polícia ainda não havia divulgado detalhes do seqüestro. Os policiais já sabiam, no entanto, que a criança seria vendida para adoção ilegal.   O drama de Luciana começou quando ela procurou a Agência Nacional de Talentos, para inscrever a filha mais velha, de 2 anos. O produtor Ulisses Pereira disse que a agência não tinha interesse na menina, mas informou que o programa Mais Você queria fazer uma gravação com bebês. O cachê ficou acertado em R$ 1.500.   Na noite de quarta-feira, Angélica e mais três pessoas pegaram Luciana e o bebê em casa. Pereira falou por telefone com Luciana e disse que não poderia acompanhá-la. A dona-de-casa foi informada que a gravação seria no sítio da apresentadora Ana Maria Braga. No trajeto, Luciana foi agredida e jogada numa ribanceira. Os dois casais sumiram com a criança.     Texto ampliado às 18h38 com mais informações

Mais conteúdo sobre:
seqüestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.