Acervo pessoal
Acervo pessoal

Entregador de pizza é morto em tiroteio no Morro da Coroa

Rafael Camilo Neris foi baleado durante confronto entre PMs do Bope e traficantes; polícia diz que vítimas foram três suspeitos

O Estado de S. Paulo

29 de junho de 2015 | 14h47

RIO - Um entregador de pizza de 23 anos morreu baleado durante um confronto entre policiais militares do Batalhão de Operações Policiais Especiais (Bope) e traficantes no Morro da Coroa, em Santa Teresa, na região central do Rio de Janeiro, na noite deste domingo, 28. Amigos de Rafael Camilo Neris lamentam sua morte em postagens da rede Facebook e ressaltam que o jovem era "trabalhador" e teria morrido quando entregava uma pizza na comunidade. Ele chegou a ser levado para o Hospital Municipal Souza Aguiar, no centro, mas não resistiu.

Familiares afirmam que ele deu entrada na unidade sem documentos, que teriam sido roubados. De acordo com a polícia, as vítimas do tiroteio deste domingo foram dois suspeitos, que morreram, e uma terceira pessoa ligada ao tráfico, que, ferido, está internado no Hospital Municipal Souza Aguiar. "Dói muito", afirmou a mulher de Rafael, Rosana Monteiro, agradecendo o apoio e as mensagens de amigos. 

"Perdemos um amigo, um colaborador", afirmou, na rede social, a empresa Santa Pizza, onde Rafael trabalhou como entregador. "O sentimento é de fragilidade e de não saber de que lado ficar ou como fugir ou se defender e de quem se defender. O luto é eterno e contínuo e só muda o endereço todos os dias! Ficamos com a lembrança de um sorriso de paz!"

Ocupação. Durante a ação do Bope, foram apreendidas duas pistolas, cinco granadas de fabricação caseira e cinco carregadores.O Morro da Coroa foi invadido em maio por traficantes do Comando Vermelho, facção que já dominava o vizinho Morro do Fallet, também em Santa Teresa. Naquele mês, em uma semana de invasão, confrontos mataram 12 pessoas na região. 

A Coroa, que já havia sido ocupada pelo Bope em maio, é policiada por homens do batalhão especial desde sexta-feira, 26, quando cinco policiais que estavam em uma base avançada da Unidade de Polícia Pacificadora (UPP) do Fallet foram rendidos por seis traficantes e obrigados a entregar suas armas, devolvidas logo em seguida.

A Coordenadoria de Polícia Pacificadora (CPP) já identificou, em seu setor de inteligência, os suspeitos de terem participado do episódio.  A 8ª Delegacia de Polícia Judiciária Militar apura de houve negligência dos policiais que estavam na base da UPP. Alguns deles vêm recebendo atendimento psicológico desde sexta-feira.

Tudo o que sabemos sobre:
Rio de JaneiroViolênciaSanta Teresa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.