Wilton Júnior/Estadão
Wilton Júnior/Estadão

Equipe da Unesco faz primeira visita ao Museu Nacional

Por medida de segurança, especialistas em reconstituição de patrimônios históricos permaneceram apenas na parte externa

Fábio Grellet, O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2018 | 19h20

RIO - Durou uma hora e dez minutos a primeira visita da comitiva de especialistas na reconstituição de patrimônios históricos da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco, na sigla em inglês) ao Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, em São Cristóvão,  na zona norte do Rio de Janeiro, na tarde desta quinta-feira, 13. A equipe comandada pela italiana Cristina Menegazzi, chefe do Programa de Salvaguarda de Emergência do Patrimônio Cultural Sírio da Unesco, chegou às 16h20 e permaneceu até as 17h30 observando pelo lado de fora o prédio, atingido por um incêndio no último dia 2. Ninguém entrou no museu, que continua interditado até que sejam adotadas medidas de segurança para garantir que não ocorram desabamentos.

A equipe da Unesco não falou com a imprensa. Segundo o diretor do museu, Alexander Kellner, durante a primeira reunião da comitiva com a equipe do museu foi debatida a instalação de uma cobertura provisória, que possa proteger da chuva e do sol o que restou do acervo.

"O que se estuda agora são coisas pontuais, básicas. Trabalho maciço, só quando o prédio oferecer segurança. A UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro, a cujo patrimônio pertence o museu) tem uma responsabilidade gigantesca de evitar que alguém se machuque", disse.

Segundo o diretor do museu, está sendo escolhida a empresa que fará as obras necessárias para entrar no museu.

"Para receber a verba emergencial era preciso fazer um termo de referência. Foi feito, dentro do prazo, pela UFRJ. Depois disso, esse documento é analisado por diferentes atores, e isso também já foi feito", afirmou Kellner. "Já estão trabalhando no isolamento do terreno, como também fazendo a tomada de preços para estabelecer a estruturação interna e a cobertura. Quanto tempo isso vai demorar? Só terei essa informação quando a empresa estiver contratada."

Segundo o diretor do museu, a própria Polícia Federal, responsável pela perícia que tentará identificar a causa do incêndio, não conseguiu entrar no prédio, por causa do risco de desabamento. A perícia ainda depende disso.

Novas reuniões com o grupo da Unesco devem ocorrer diariamente, nessa etapa.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.