Escola de Realengo volta às atividades nesta segunda-feira

Serão organizadas oficinas de arte e eventos culturais para ajudar na readaptação dos alunos

Alfredo Junqueira / RIO,

17 Abril 2011 | 18h08

As atividades no Escola Municipal Tasso da Silveira, palco do massacre de 12 crianças pelo atirador Wellington Menezes de Oliveira, no último dia 7, serão retomadas nesta segunda-feira, 18, com oficinas de arte e eventos culturais para ajudar na readaptação dos alunos.

 

Veja também:

video Assista a todos os vídeos deixados pelo atirador

mais imagens Mais fotos do atirador antes do massacre

linkPaes diz que indenizará famílias de vítimas

linkPara vencer trauma, até mãe volta às aulas

linkPreso suspeito de vender arma para Wellington

especialPasso a passo do atirador dentro da escola

 

As aulas regulares ainda devem levar mais duas semanas para serem retomadas. De acordo com a direção da instituição, em princípio, os estudantes das turmas do 8º e do 9º anos serão os primeiros a retomar os estudos.

 

Duas das vítimas do massacre que escaparam com ferimentos e ainda estão se recuperando, Carlos Matheus Vilhena de Souza e Alan Mendes da Silva, ambos com 13 anos, encaram o retorno ao colégio de maneira distinta. Alvo de três disparos, Alan já avisou aos pais que quer estar no colégio na segunda à tarde. Com muitas dores e ainda abalado por ter visto suas amigas sendo mortas, Carlos Matheus vai ficar em casa.

 

"O Carlos Matheus ainda está com muita dor. De início, ele disse que não ia voltar, mas agora ele aceitou. Ele não quer perder o ano", explicou Carla de Souza, 31, mãe de Carlos. "Além da dor física, tem todo o aspecto psicológico. Ele viu várias amiga sendo mortas na sua frente".

 

Alex Sandro Ferreira da Silva, 33, pai de Alan, disse que o filho ainda precisa de cuidados, mas que ele está com vontade de voltar. "Ele já passou pelo colégio depois que saiu do hospital", contou Alex.

"O Alan ainda está em recuperação, mas quer voltar logo. Ele não está com medo", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.