WILTON JUNIOR/ESTADAO
WILTON JUNIOR/ESTADAO

Escolas no Jacarezinho e em Manguinhos terão aulas suspensas por tempo indeterminado

Desde o início do ano, segundo a Secretaria Municipal de Educação, 143.474 crianças foram afetadas - um em cada cinco estudantes da rede carioca

Mariana Durão, O Estado de S.Paulo

21 Agosto 2017 | 21h32

A Secretaria Municipal de Educação do Rio decidiu suspender por tempo indeterminado as aulas de 15 escolas públicas nas comunidades do Jacarezinho e Manguinhos por conta dos conflitos diários entre forças de segurança e facções criminosas. Em outras 11 escolas haverá horários alternativos de funcionamento. A decisão foi divulgada na noite desta segunda-feira, 21, por meio de nota assinada pelo secretário municipal de Educação, Cesar Benjamin.

Benjamin e o prefeito Marcelo Crivella se reuniram ao longo do dia para analisar a situação de “crise aguda” com diretores e diretoras das 26 escolas. A prefeitura entendeu que deveria tomar a medida para retirar de suas mãos a responsabilidade pela decisão sobre manter ou não as aulas nessas escolas em áreas de risco, “que tem se mostrado estressante e arriscada”, nas palavras do secretário.

Um grupo formado por alguns diretores vai avaliar diariamente a evolução da situação nessas áreas de violência. Além disso, foi formada uma força-tarefa, na subsecretaria de Ensino, para planejar a prestação de reforço pedagógico a essas escolas, até o final do ano letivo.

A operação das Forças Armadas e da polícia em sete favelas da zona norte do Rio nesta segunda-feira, 21, deixou 26.975 alunos sem aulas. Desde o início do ano, segundo a Secretaria Municipal de Educação, 143.474 foram afetados - um em cada cinco estudantes da rede carioca.

Mais conteúdo sobre:
Rio de Janeiro [cidade RJ]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.