Acervo pessoal
Acervo pessoal

Ex-PM é condenado a 18 anos de prisão por matar menino em 2008

Wiliam de Paula foi considerado culpado por morte de João Roberto Amorim Soares; réu foi julgado novamente nesta 3ª a pedido do MP 

Carina Bacelar, O Estado de S. Paulo

10 de junho de 2015 | 08h39

RIO - A Justiça condenou a 18 anos de prisão em regime fechado o ex-cabo da Polícia Militar Wiliam de Paula pela morte do menino João Roberto Amorim Soares, de 3 anos, assassinado a tiros em julho de 2008. Os jurados do 2º Tribunal do Júri decidiram nesta terça-feira, 9, que ele cometeu homicídio qualificado e duas tentativas de homicídio, contra a mãe e o irmão de João Roberto, que também estavam no carro em que o policial atirou 17 vezes. 

O crime aconteceu quando uma patrulha da PM confundiu o veículo onde os três estavam com um carro de criminosos e iniciou uma perseguição pelas ruas da Tijuca, bairro da zona norte do Rio de Janeiro.

Um júri popular realizado em dezembro de 2008, no qual o ex-PM foi absolvido, foi anulado a pedido do Ministério Público, alegando que a decisão dos jurados à época contrariava a prova pericial que atestou o erro do réu. 

Depois de o juiz Jorge Luiz Le Cocq D'Oliveira ler a sentença, o réu deixou o Tribunal do Júri preso. O juiz afirmou que de Paula tem "perfil desajustado, má conduta social, é suspeito de envolvimento com milicianos, além de responder por outro homicídio de um agente penitenciário".

Nos debates entre acusação e defesa, o promotor Fábio Vieira dos Santos argumentou que o réu não havia agido em legítima defesa e que o carro de polícia não circulava em local que oferecesse risco. "Ele quis matar", disse.

Já a advogada assistente de acusação, Marta Barbosa, defendeu junto aos jurados que era melhor "20 bandidos soltos do que uma criança de 3 anos morta".

Na defesa do ex-PM, o defensor público Felipe Lima admitiu que uma absolvição seria exagerada, mas pedia que os jurados condenassem de Paula por homicídio culposo.

Segundo ele, a tese de legítima defesa se sustentava não porque havia um perigo real, mas "o risco que existe na cabeça das pessoas". "Dizer que um PM no Rio de Janeiro não tem pânico é retirar dele a vicissitude de um homem", afirmou. 

A mãe de João Roberto, Alessandra Soares, comemorou a decisão, chorando de alegria ao lado do marido Paulo Roberto Soares. "A justiça foi feita", declarou. "Vou chorar e abraçar meus filhos quando chegar em casa", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.