Wilton Junior / Estadão
Wilton Junior / Estadão

Exército volta à Vila Kennedy para patrulhamento conjunto com PM

Forças Armadas voltam pela sétima vez ao local, às margens da Avenida Brasil, uma das principais vias expressas do Rio

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

10 de março de 2018 | 10h09

RIO – Militares das Forças Armadas voltaram neste sábado à comunidade de Vila Kennedy, na zona oeste do Rio, para dar início a um patrulhamento conjunto com a Polícia Militar. Desde o último dia 23, é a sétima vez que as Forças Armadas enviam agentes ao local, às margens da Avenida Brasil, uma das principais vias expressas do Rio. Ontem, os militares deram apoio a uma operação da Prefeitura que causou revolta e comoção na população da região ao demolir 52 barracas e quiosques de comerciantes informais na praça central da comunidade.

Em nota, o Comando Conjunto informou que começou, na manhã deste sábado, uma sequência de operações para reforçar o patrulhamento ostensivo já feito regularmente pela Polícia Militar. A ação ocorre em apoio à Secretaria de Segurança, no contexto das medidas implementadas pela intervenção federal na segurança pública.

+++ Alvo dos militares, Vila Kennedy expõe desafio na segurança no Rio

A nova fase da operação na comunidade prevê a presença diária de cerca de 300 militares. Durante o dia, eles cumprirão escala de patrulhamento, feito simultaneamente ao realizado pela Polícia Militar. Durante a noite, a segurança será exclusivamente atribuição dos policiais militares.

A estratégia anterior de cercar a região para “estabilização da área” e remoção de obstáculos pode voltar a ser adotada, se necessária, assim como o cumprimento de mandados judiciais pela Polícia Civil. O Comando Conjunto alerta que algumas ruas e acessos da comunidade podem ser interditados e setores do espaço aéreo podem ser controlados, com restrições dinâmicas para aeronaves civis. Não haverá, porém, interferência nas operações dos aeroportos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.