Expedição busca macacos mortos por febre amarela nas matas de Casimiro

Na tarde de quinta-feira,  16, um bugio foi encontrado morto próximo à Reserva de Poço das Antas, em uma estrada de terra

Clarissa Thomé, ENVIADA ESPECIAL a Casimiro de Abreu (RJ)

17 de março de 2017 | 09h37

CASIMIRO DE ABREU (RJ) - Uma equipe de funcionários da Secretaria de Estado de Saúde e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) vai fazer uma incursão em matas de Casimiro de Abreu, na Baixada Litorânea, na manhã desta sexta-feira, 17. Eles buscam macacos mortos, possivelmente, por febre amarela. As carcaças serão encaminhados para exame na Fiocruz.

A equipe de nove pessoas começou a fazer esse trabalho nesta quinta-feira, 16. Moradores indicaram duas carcaças de bugio, que foram recolhidas pelos técnicos. No entanto, para que os exames possam identificar o vírus da febre amarela, o ideal é que o animal seja encontrado até dois dias depois da sua morte, e seu corpo, preservado em câmara refrigerada. 

Nesta sexta-feira, uma equipe da Vigilância em Saúde de Casimiro de Abreu se juntou ao grupo para fazer as buscas aos macacos. 

Na tarde de quinta-feira,  16, um bugio foi encontrado morto próximo à Reserva de Poço das Antas, em uma estrada de terra. O macaco tinha marcas de ferimento na cabeça, o que pode indicar que tenha sido agredido. O animal foi encaminhado para exames no Hospital Municipal de Medicina Veterinária  Jorge Vaistman, no Rio.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.