Expedição busca macacos mortos por febre amarela nas matas de Casimiro

Na tarde de quinta-feira,  16, um bugio foi encontrado morto próximo à Reserva de Poço das Antas, em uma estrada de terra

Clarissa Thomé, ENVIADA ESPECIAL a Casimiro de Abreu (RJ)

17 Março 2017 | 09h37

CASIMIRO DE ABREU (RJ) - Uma equipe de funcionários da Secretaria de Estado de Saúde e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) vai fazer uma incursão em matas de Casimiro de Abreu, na Baixada Litorânea, na manhã desta sexta-feira, 17. Eles buscam macacos mortos, possivelmente, por febre amarela. As carcaças serão encaminhados para exame na Fiocruz.

A equipe de nove pessoas começou a fazer esse trabalho nesta quinta-feira, 16. Moradores indicaram duas carcaças de bugio, que foram recolhidas pelos técnicos. No entanto, para que os exames possam identificar o vírus da febre amarela, o ideal é que o animal seja encontrado até dois dias depois da sua morte, e seu corpo, preservado em câmara refrigerada. 

Nesta sexta-feira, uma equipe da Vigilância em Saúde de Casimiro de Abreu se juntou ao grupo para fazer as buscas aos macacos. 

Na tarde de quinta-feira,  16, um bugio foi encontrado morto próximo à Reserva de Poço das Antas, em uma estrada de terra. O macaco tinha marcas de ferimento na cabeça, o que pode indicar que tenha sido agredido. O animal foi encaminhado para exames no Hospital Municipal de Medicina Veterinária  Jorge Vaistman, no Rio.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.